02 janeiro, 2011

Homilias dominicais (citando Saramago) - 22

Tendo cada vez mais a imitar-lhe as ocupações, os desassossegos, as palavras reflectindo nelas e imaginando como ele o faria antes de as escrever... Ponho, ou tento pôr, as mesmas interrogações que, imagino, ele a si próprio colocaria. Claro que se não fosse a Minha Alma não teria o atrevimento de procurar as palavras que o meu Nobel usou, ou pensaria usar, para prolongar o balanço que já fiz de um ano a escrever neste espaço. Vou mais uma vez seguir José Saramago. Porquê? Não digo. Se explicasse tudo o que faço e porque o faço iria certamente aborrecer-vos com as minhas dúvidas existenciais... Assim, o balanço dele sobre 2008, passa a ser o meu sobre o ano passado. As coisas não mudaram assim tanto e eu tenho as mesmas inquietações...
--
HOMILIA DE HOJE

"Valeu a pena? Valeram a pena estes comentários, estas opiniões, estas críticas? Ficou o mundo melhor que antes? E eu, como fiquei? Isso esperava? Satisfeito com o trabalho? Responder “sim” a todas estas perguntas, ou a mesmo só a alguma delas, seria a demonstração clara de uma cegueira mental sem desculpa. E responder com um “não” sem excepções, que poderia ser? Excesso de modéstia? De resignação? Ou apenas a consciência de que qualquer obra humana não passa de uma pálida sombra da obra antes sonhada. Conta-se que Miguel Ângelo, quando terminou o Moisés que se encontra em Roma, na igreja de San Pietro in Vincoli, deu uma martelada no joelho da estátua e gritou: “Fala!” Não será preciso dizer que Moisés não falou. Moisés nunca fala. Também o que neste lugar se escreveu ao longo dos últimos meses não contém mais palavras nem mais eloquentes que as que puderam ser escritas, precisamente essas a quem o autor gostaria de pedir, apenas murmurando, “Falem, por favor, digam-me o que são, para que serviram, se para algo foi”. Calam, não respondem. Que fazer, então? Interrogar as palavras é o destino de quem escreve. Um artigo? Uma crónica? Um livro? Pois seja, já sabemos que Moisés não responderá."

Balanço in Caderno de José Saramago/5 de Janeiro de 2009

21 comentários:

  1. Inquietações, dúvidas existenciais, desassossegos, quem os não tem??

    "Certas relações harmoniosas criam-se e duram graças a um sistema complexo de pequenas inverdades, de renúncias, uma espécie de bailado cúmplice de gestos e posturas, tudo resumível no nunca assaz citado provérbio, ou sentença, que muito melhor lhe assenta esta designação.
    Tu que sabes e eu que sei, cala-te tu, que eu me calarei."

    Citação de José Saramago
    --------------------------------

    ResponderEliminar
  2. Moisés não fala, mas eu diria que há perguntas que integram em si as respostas. Mesmo sem falar, Moisés é uma obra notável.
    Ainda bem que os artistas, os autores não se contentam facilmente com o resultado do seu trabalho. É um dos factores que impulsiona o crescimento.

    Eu gosto da água desta fonte.

    L.B.

    ResponderEliminar
  3. Rogério

    Fui hoje ver o filme José e Pilar. Imprescindível.Se ainda não foi ver, apresse-se...

    :)))


    Abraço

    ResponderEliminar
  4. Oiiiiiiiiiiiii!
    Adorei o seu blog! Parabéns!!!
    Se quiser conhecer o meu, é : www.espiculaderodinha.blogspot.com
    Bjos!!!

    ResponderEliminar
  5. Rogério
    Como me falta a eloquência, mas tenho algum pragmatismo, socorro-me de Edmund Burke para lhe responder: "Ninguém cometeu maior erro que aquele que não fez nada, só porque podia fazer muito pouco".
    No seu caso, e do seu blogue, foi bem mais que muito pouco. Só tenho pena de não poder vir aqui mais frequentemente, pois este blogue dá que fazer aos neurónios, o que é muito bom :)
    Abraço e continuação de boa conversa avinagrada, mais ácida ou mais doce, como o de Módena :)

    ResponderEliminar
  6. Para ti... FELIZ ANO NOVO...Com muita saúde...


    Beijos

    ResponderEliminar
  7. Amigo Rogério!

    Curiosamente estive aqui enquanto estiveste lá no rau.
    Concordo! Enlaçar é bem mais profundo!

    Como dizia, estive aqui e ao publicar perdi o comentário.
    São coisas da WordPress às quais ainda não me habituei totalmente.

    Não vou dizer-te nada que já não saibas, mas digo-o de igual forma porque é isso que pretendes, que falem contigo.
    Digo-te então que tens todos os motivos para estares feliz com o teu trajecto.
    Um ano a escrever é realmente muito, sobretudo para quem escreve com tanta regularidade e textos tão bem estruturados, pertinentes e até densos.
    Intelectualmente, o teu Blog, ou melhor, os teus Blogs, não são acessíveis a toda a gente.
    Falo por mim, obviamente e não quero que ninguém se ofenda.
    De facto, o que determinaste como caminho a navegar está a ser seguido à risca.
    Este não é um Blog qualquer e é nesse sentido que ele não será acessível a todos.

    Chegar aqui e ler cruzado é impossível.
    Chegar aqui e dizer, gostei muito, obrigada, não é nada!
    Aqui não se marca o ponto, aqui marcam-se pontos, ou não!

    Tudo isto para te dizer, que não é fácil seguir o teu ritmo nem o teu nível.
    Fico por aqui hoje.

    Como não abri o "balanço" tentarei voltar para tentar comentar o teu texto sem outros recursos que não os meus.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  8. Meu caro, os seus blogues mostram.nos uma escrita muito boa, que merece todos os prémios...por isso, parbéns pelo da Ana Chitas.

    Uma feliz semana.

    ResponderEliminar
  9. Rogério
    E tu fizeste-me rir. pois também me lembro muito bem da tia Verde Agua...
    "as mãos dos pretos" não conheço... mas tenho pena, deve ser linda.
    Para ti meu amigo um beijo e continua a escrever para eu te ler....

    ResponderEliminar
  10. “Falem, por favor, digam-me o que são, para que serviram, se para algo foi”.

    Meu amigo:
    A falar, a escrever, a sentir, a agir! Servem estas palavras para desabafar. Dúvidas quem as não tem, comecemos então um novo ano cheio delas!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  11. De citação em citação, comento os que comentários a proposito da minha "eloquencia" e dos "neurónios"(Manuela), da insatisfação do artista como motor do processo criativo (Lídia) e das dificuldades em me ler (Fernanda), com uma passagem de... Saramago. Diz ele:

    A idéia não é procurar escrever pensando que todo mundo vai compreender sua literatura. O problema não estar em levar os livros para a gente mais simples; está em que cada um de nós faça da melhor maneira possível aquilo que sabe. Seria um erro fazê-lo pior, podemos fazê-lo melhor. A criação de um autor deve estar ao alcance de todas as pessoas, para que elas procurem e possa entendê-la. O caminho é a cultura ao alcance de todos. Sei que há livros meus que muita gente não entende, e tenho que declarar, muito humildemente, que há livros que não entendo, que também não estão ao meu alcance.

    Beijos a todas

    e agradecimentos particulares à Janita e à Ariel (a quem digo que tenho programada a ida pela enésima vez...)

    ResponderEliminar
  12. Os Livros do José Saramago,podem não estar ao alcanço dos analfabetos, ou daqueles que teimam em não o querer entender, porque ele escreveu para eles,só talvez tenha dito coisas que eles não estavam habituados a ouvir.

    Um abraço,
    José.

    ResponderEliminar
  13. Rogério,
    É muito recente este nosso encontro pelo que não me posso pronunciar senão pelo pouco que ainda conheço... mas do pouco, já percebi que tem tudo a ver comigo, e daquilo que espero dum bom blog.
    Pressinto outras comunhões mas não me quero adiantar, começo agora a ter tempo para a descoberta, para trás, na escrita e no tempo.
    É um caminho de que estou francamente a gostar, sem dúvida!
    Continue, Rogério!

    Um abraço

    ResponderEliminar
  14. Sim, valeu a pena.
    Sempre vale a pena, como disse Pessoa, quando a alma não é pequena. A tua, por certo, não é! É imensa!
    Adoro ler-te... sempre! E quanto a Saramago... inesquecível - para sempre!

    Beijos

    Carla

    ResponderEliminar
  15. Continuarei, apóstolo.
    Como ele não esperaria que alguèm o podesse ser...

    ...gostei de os aqui ter!

    ResponderEliminar
  16. ROGÉRIO
    és um querido
    Ve-se logo que bebeste agua da Capopa...

    Um beijinhooooooooo E vou ler o conto....




    Aproveito mais uma vez para
    desejar um ano Novo cheio de coisas boas em que a saúde seja o prato principal
    Dêmos as mãos e o caminho será mais fácil
    Feliz ano de 2011

    beijos

    ResponderEliminar
  17. abraço, meu caro.
    felicito-te pela tuas excelentes causas.

    BOM ANO

    ResponderEliminar
  18. Caro Rogério
    Não é nada fácil para mim acompanhar seu nivel de escrita, que posso eu dizer além de todo o desassossego, inquietação, dúvidas, incertezas, tudo o que actualmente todos nós de certa forma sentimos, uns mais do que outros,lógico. Esperemos dias melhores.

    Beijinho

    ResponderEliminar
  19. e é amar-te assim perdidamente..ah, enganei-me venho da prima FÊ e ainda estou a trautear a cantiga
    kis :=) vou acabar de cantar e ó despois venho aqui para postar um comentos. tá???

    ResponderEliminar
  20. AMIGO ROGÉRIO...
    seu texto me leva a refletir...
    mas sabe de uma coisa menos fizeram aqueles que se dipuzeram ao nada....
    toda a palavra escrita com eloquencia nos tira de alguma maneira da inercia e a reflexão que ocorre é fundamental para o crescimento...
    seus textos nos elucidam e obrigam ao pensar.
    isso é fabuloso.
    tenha querido amigo uma ano brilhante, feliz , de saúde e alegrias junto dos teus...
    bjuivos no teu coração e em nosso querido Portugal.
    obrigada por sua amizade e carinho ao longo do ano que se passou. que ela se foteleça cada vez mais.feliz 2011.
    loba.

    ResponderEliminar