15 janeiro, 2011

Por vezes é necessário interpretar a simbologia ou seguir os actos necessários, para voltar a ter esperança...


Julgando criar-lhe um problema conflituante, desenhou a criação (ou recriação?) e a pomba da paz para confrontar o pai da igreja com o que tem que ser feito. Em torno do simbolo fez-se um silêncio tão grande quanto o é agora em torno de um acto claramente assumido. Será a omissão da notícia a falta dela?

Nada de enigmas estou a falar de um homem directo e do seu apoio a Francisco Lopes:
Siza Vieira, o arquitecto da intensa claridade (ou da amena luz?)

Sobre a sua obra não há nada em português. Saber lá os porquês...