26 janeiro, 2011

Metamorfose - III (despertar do pesadelo)


Quadro de Salvador Dali, retirado do net
----------As rugas, por minhas mãos empurradas,
----------foram parar a outras caras
----------Meti na gaveta da autodeterminação
----------e do socialismo, a Praça da Canção
----------Confirmei naquela outra gaveta
----------(aquela mesmo por baixo da dos valores)
----------se havia espaço para páginas da constituição
----------e bugigangas para troca de favores

----------Peguei no bisturi e habilmente,
----------após profunda incisão na minha mente,
----------fiz ablação da razão, do sentimento e da memória
----------Vesti um fato de treino
----------e com um sorriso cínico de assegurada vitória
----------fui correr, correr, correr, correr, sem tino nem destino----------
----------Acordei suado
----------daquele pesadelo esforçado e sinistro
----------e, aliviado, com ironia pensei:
----------“Bem podia ser primeiro ministro”