05 outubro, 2016

ONU, ONU, para que nos serves tu? - II


A pergunta nem é cínica nem tem sofisma, nem sequer significa, neste momento, qualquer discordância ou hesitação quanto à necessidade de que os objectivos expressos na "Carta da ONU" permaneçam. Estão mais actuais que nunca. O candidato melhor posicionado (e que, tudo aponta, poderá ser seu líder) terá afirmado que a DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS é mais progressista de qualquer uma outra hoje que se sujeitasse ao escrutínio dos seus membros actuais. Não podia estar mais de acordo! E não é um mero acordo formal, pois juro que tenho as minhas cotizações anuais para a UNICEF em dia.
Mas...
Olhando a imagem escolhida para este texto a declaro, essa sim, cínica. O mundo hoje gira em sentido retrógrado. Talvez Guterres seja o líder necessário, mas ocorre-me repetir a máxima que encima esta minha "Conversa":
«De individualidades se faz um percurso,
mas o verdadeiro protagonismo pertence aos povos»   
NOTA: Não perde nada em ler o post anterior