07 outubro, 2016

Serão inconsequentes os líderes se os liderados não só não cooperarem como agirem subvertendo os percursos traçados...

Reconhece-se que os aplausos são merecidos e a aclamação é o corolário de um processo que chegou a estar ameaçado. 
O eleito reúne (admito) todos os qualificativos exigidos e te-los-há provado durante anos. Mas tenho como certeza que se confrontará com pressões e, além delas, se cruzará com jogadas alinhadas com o objectivo de esvaziar a eficácia da sua liderança. Barroso não escondeu totalmente o que pensa quando refere (no Público de ontem) a importância de outros fóruns internacionais: «É disso exemplo o G20, onde  tive a honra de participar, que é hoje o mais importante fórum de decisão a nível económico no plano global». Não se sabe quanto se terá contido para não dizer do G7 algo muito parecido. Tresanda, pois, a cinismo as felicitações dirigidas a Guterres pois o que Barroso julga é que há fóruns mais importantes que a ONU...
Acresce, que não se deverá ignorar que a Europa fica mal em todas as fotografias, mesmo se haja pessoas que considerem Merkel com alguma fotogenia. 
Assim, há mesmo riscos elevados de serem inconsequentes as virtudes do eleito...