14 abril, 2016

Manuel Veiga, poeta, herético


«...Esta poesia não é para ser cantada mas deve ser lida em voz alta, na esperança de sermos livres, eternos, por um instante, nas "paisagens em alvoroço".
Este "do esplendor das coisas possíveis" segue um registo de forma e conteúdo que identifica o Poeta e o Homem.
Se me lessem um poema seu sem identificar o autor, eu diria sem pestanejar - é do Manuel Veiga.»

Aproveito para lembrar, por palavras minhas, o comentário do Manuel à minha confessada falta de inspiração para o poema: "É fácil! Pegas nas palavras durante a tua vida adubadas, desenrascas umas quantas metáforas, juntas-lhe desassossego ou esperança, conforme o caso, e está feito!"

10 comentários:

Anónimo disse...

Que seja uma excelente e participada "demonstração"!

Gostei - e muito! - de tudo quanto li do Manuel Veiga!

Abraço para ambos!


Maria João

Elvira Carvalho disse...

Pena que já tenho um compromisso para sábado. Que seja um êxito.
Abraço

heretico disse...

abraço fraterno, meu caro Rogério.
grato pela tuas generosas palavras

(ainda por cima escolhes uma foto dois anos mais novo rss)

Maria Eu disse...

Escreve muito bem, o Manuel.
Rogério, tu também o fazes, só que noutro registo.
Poderia dizer que se completem, os dois amigos.

Beijinhos :)

Rogerio G. V. Pereira disse...

Levo-te um livro dele. Boa?

Rogerio G. V. Pereira disse...

Também tenho um compromisso no sábado
e vou chegar atrasado

mas não deixarei de lá aparecer para lhe dar um abraço

Rogerio G. V. Pereira disse...

Nada disso, meu amigo
tu é que estás rejuvenescido

Rogerio G. V. Pereira disse...

Colocar-me ao nível dele?
Simpatia tua!

Fê blue bird disse...

Fui convidada e tive muita pena de não ter podido comparecer porque coisas belas não se devem desperdiçar.

Beijinhos para ambos

Agostinho disse...

Tenho pena de não ter podido aparecer. O MV tem um jeito especial de despertar nas palavras emoções inusitadas. Espero comprar o livro logo que o encontre no mesmo local do anterior.