09 abril, 2016

Sábado, esta foi uma semana "do carágo"


Um meu amigo e camarada colocou em destaque esta chapada, referido-se a um desfecho: "a cultura agradece". O acontecimento inundou as páginas de todos os jornais, a abertura de todos os noticiários e telejornais. Não fora isso nem teria considerado o caso a não ser para referir que nem um imberbe adolescente cairia na esparrela de ressuscitar o interesse pelos comentadeiros "atingidos"... 

Antes dessa avalancha de notícias, numa outra, escrevia um jornal com destaque de primeira página, que "Prisioneiros angolanos dependem da chuva para beber água e tomar banho". Acredito! Acredito que nas prisões angolanas as condições sejam dramáticas pois cá também são muito fracas. As cantinas também vendem muito acima do preço, a sobrelotação causa impressão e se o Luaty Beirão tivesse sido preso, por cá, há meia dúzia de anos atrás teria toda a probabilidade de levar com o "balde higiénico" em cima (passo a expressão). Depois de ter lido isto, não me ocorre mais nada dizer sobre os activistas...

Mário Draghi não sei quantas horas ocupou, primeiro com um discurso conselheiro e depois como autoridade convidada a responder às questões colocadas. Percebemos, pelo que referem os jornais, que o Presidente Marcelo terá atingido o seu objectivo... Julgamos saber que Draghi não terá comentado matéria referida no artigo do "Tornado" nem dado qualquer conselho relativamente ao que fazer aos "paraísos fiscais"... Ignoro se  Mário Draghi voltará a ser convidado ou se venha a ser mesmo um membro do Conselho de Estado (como ele sugeriu alterações na Constituição, tudo pode acontecer)... 

Outra avalanche de noticias foi sobre os "papeis do Panamá". Tenho uma fresquinha, fresquinha, que diz assim:
«Até ao momento, os grandes magnatas e multinacionais escapam ao escrutínio. Isto apesar de, no passado mês de Janeiro, a Oxfam ter revelado que 62 pessoas detêm tanta riqueza como metade da população mundial, e que mais de metade destes super-ricos são norte-americanos, justamente com o património em paraísos fiscais, acusou a ONG britânica.» (ler aqui)
E pronto! Agora não se diga que foi só o F.C. do Porto que bateu no fundo. Foi todo o Mundo, "carágo!"

11 comentários:

Elvira Carvalho disse...

E depois disto tudo que acabo de ler nem uma boa notícia? Será caso para dizer que o mundo vai de mal a pior?
Um abraço e bom Domingo.

Anónimo disse...

.... não é de ânimo leve que te confesso que, no meio de tudo isto - que mal consigo ir abarcando com tanta infecção, tanta alergia, tanta confusão... - consegui arranjar uns dez minutinhos (seguidos!) para "torcer" pela Briosa que, por puro acaso, ouvi dizer que estava a jogar contra o Benfica...

Também confesso que não sinto remorsos nenhuns, tenho é pena que a Briosa tenha deixado entrar aquele golito, quase no final...

Espero - e é do fundo da minha assumida ignorância que o espero... - é que não haja muitos milionários entre os gaiatos que chutam pela Académica...

Abraço!

Maria João

Carmem Grinheiro disse...

Já há muito que andamos a ter "semanas do carágo" - só vai mudando - levemente - a cara dos protagonistas.
Um bom domingo.
abço

Rogerio G. V. Pereira disse...

Tens razão. Para ser franco, sinto que talvez não vá. Mas é isso que a imprensa determina que pensemos...

Rogerio G. V. Pereira disse...

Com o Benfica
não há comboios à frente da baliza
que resista

(não vires as costas ao mundo,
ou queres que fique só
lutando contra tudo?)

Rogerio G. V. Pereira disse...

Carmem,

Acabo de perceber que estou a induzir pessimismo
Tenho que passar a rever tudo o que escrevo
e deixar um, ainda que breve, rasto de esperança
(aquele que ainda mantenho)

Seja bem aparecida minha querida nova amiga

heretico disse...

boa malha, Rogério

abraço

Rogerio G. V. Pereira disse...

Limito-me em estar atento
meu caro Herético

Abraço fraterno

Olívia disse...

Muito bom, isto!

Bj.

Lídia

Rogerio G. V. Pereira disse...

Do meu lado
está visto
muito mau, isto!

Beijo

Anónimo disse...

Não viro as costas ao mundo! Garanto-te que não! O que se passa é que estou incapaz de gerir um montão de mazelas físicas a que se veio somar uma dor de dentes "infame" e que, por muito "rija" que seja, ainda não atingi a perfeição de um faquir e enquanto estou sentada em cima de uma tábua crivada de preguinhos afiados não consigo pensar com muita clareza... (nem com pouca, às vezes...)

Abraço grande!

Maria João