18 fevereiro, 2020

Racismo? Qué, qué isso?


Disse, em tempos, o que tenho repetido de tempos a tempos, que "o futebol é tão só e apenas a coisa mais importante de entre aquelas coisas que não têm importância nenhuma". Ah, quantas vezes repeti eu tal inconsciência. O futebol é a montra de tudo o que pode acontecer sem ainda ter acontecido. Demos por isso no domingo. Só? Que eu tivesse dado conta, é coisa que vem de longa data... e já vinha escrita, em livro... isso, há muito... 

E o que é que o vídeo acima tem a ver com tudo isto? Sei lá!
Um gajo pode não conseguir dizer tudo... 

8 comentários:

Catarina disse...

Li no blogue da Teresa Dias sobre essas demonstrações de puro racismo por parte de certos adeptos que deveriam ser banidos de qualquer jogo de futebol para o resto das suas vidas.
Que vergonha isso acontecer em Portugal. Pensei que tivesse havido uma certa evolução de atitudes e pensamentos, mas parece que não. O futebol, sendo um desporto entusiasmante, fascinante, traz o pior nos humanos que, em circunstâncias mais calmas se enibem de demonstrar a sua verdadeira personalidade e caráter.
Shame on them!

Elvira Carvalho disse...

O racismo não tem razão de existir. Somos uma só raça independente da cor da nossa pele, do nosso estatuto social, opções sexuais, ou religiosas. Afinal descendemos todos de um pequeno grupo de hominídeos, provavelmente parentes entre si. No entanto não acredito em quem me diz que em Portugal não existe racismo. Vemos-lo todos os dias, seja pela cor da pele, ou por qualquer outra das vertentes que acima mencionei.
Abraço

Maria João Brito de Sousa disse...

Racismo? Na minha humilde mas firme opinião é sempre uma manifestação de profunda ignorância e
de extrema insegurança pessoal.

Bonito, o vídeo. Gostei de o rever.

Abraço

Jorge Almeida disse...

O Povo Cabo-verdiano é aberto e multi-cultural acolhendo todos. Viva Cabo Verde.

Janita disse...

O que tem a ver o vídeo com a toda a prosa anterior e a mais antiga?
Pois, tem TUDO a ver!

1º O multi-culturalismo há muito que se instalou não só na Europa como no resto do mundo.
Deixámos de viver isolados, e ainda bem. A globalização uniu-nos a todos sem discriminação. Somente os retrógrados empedernidos o não aceitam.

2º O que aconteceu com o jogador do FCP, Marega, poderia ter acontecido com outro em qualquer outro campo de futebol, ou em qualquer outro contexto. Não foi apenas um acto racista. Foi uma vergonhosa manifestação de despeito, falta de civismo e ausência de carácter. Há muito que o futebol enferma de doença grave.

Haja esperança que não seja doença incurável, a bem do desporto em particular e da socialização entre todos os desportistas e clubes, em geral.

Gostei da música, do vídeo e senti muita pena por lá não estar, também a dançar!

ematejoca disse...

Insultos no futebol é o prato do dia. A última vez que assisti a um jogo no Estádio do Dragão os adeptos portistas insultaram os jogadores da equipa rival e nenhum jogador abandonou o campo‼

Quando o Marega esmurra um colega é rascismo ou acto de violência?!
Quando o Marega provoca e insulta os adeptos do vitória de Guimarães é um acto de auto-defesa?!

Mar Arável disse...

Entre pessoas não existem raças
Existem energúmenos que violam direitos inalienáveis
e se comportam como bestas
de todas as cores de pele
e até com a mesma cor
Abraço

Ana Tapadas disse...

A cor de pele ainda é um estigma e essa é a prova do pouco que evoluímos.
Já senti racismo sobre a minha cor branca muito clara...tudo depende do contexto.

Tens razão: o futebol é exactamente isso que me dizes.

Beijo