10 dezembro, 2010

Entrevista a um poeta meu (e de todos nós...)



Jorge de Sena

Vale a pena ouvir esta entrevista de Jorge de Sena concedida a Leite de Vasconcelos em 19 de Julho de 1972 e "passada" na Antena 2 em Novembro passado.

--

Lamento do Poeta Objectivo

Anda-me o amor tomando a própria vida,
como se, amando, eu existisse mais.
E leva-me o Destino em voz traída,
como se houvera encontros desiguais.

A multidão me cerca, e, renascida,
já dela terei fome de sinais.
E, mal a noite se demora ardida,
o medo e a solidão me esfriam tais

as cinzas desse amor que sacrifico.
Não é futura a só miséria. A queixa
também não é: e apenas acontece

no vácuo imenso que este amor me deixa,
quando maior, quando de si mais rico,
se dá de mundo em mundo, e lá me esquece.

Jorge de Sena, in 'Post-Scriptum'