05 dezembro, 2010

Homilias dominicais (citando Saramago) - 18



Se virem, no vosso espaço, uma passarola mesmo que estilizada, que tal não vos embarasse. Ela é verdadeira. É ela que me leva onde o sonho perseguido merece ser levado. Mesmo que as palavras que vos deixo possam soar amargas escutem-nas pois elas se inspiram na esperança e nas reflexões de um homem bom...

--
--
HOMILIA DE HOJE

A pior das mortes - Um país como Portugal, e não é o único nesta situação, que não tem uma ideia própria de futuro para toda a colectividade, vive numa situação de total dependência. Não temos mais ideias para além das que nos dizem que devemos ter. A União Europeia dita-nos o que devemos fazer em todas as ordens da vida. Encaminhamo-nos para a pior das mortes: a morte por falta de vontade, por abdicação. Esta renúncia é também a morte da cultura. Por isso creio que um país morto, como Portugal, não pode fazer uma cultura viva.
“José Saramago: ‘El mundo se está quedando ciego”, La Verdad, Murcia, 15 de Março de 1994

Globalizar o pão - Se amanhã me disserem que vão globalizar o pão não encontrareis globalizador mais entusiasta que eu. E se me disserem – e fazem-no – que vão globalizar tudo quanto milhares de milhões de seres humanos estão necessitando para viver dignamente, então asseguro-vos que me vereis convertido num seu fanático. Mas a globalização está a acrescentar miséria à miséria, fome à fome, exploração à exploração.
José Saramago, “Soy un relativista”, Vistazo, Guayaquil, 19 de Fevereiro de 2004