08 maio, 2016

Poesia (uma por dia) - 85

AS PALAVRAS DO MEDO
E O MEDO DAS PALAVRAS

Oiço as palavras e começa um jogo:
Um jogo de traições e sombras;
e as pobres palavras,
repetidas até à exaustão,
começam a cansar-me
como se tivessem sido escolhidas
para definirem a indefinição
ou matarem de cansaço este cidadão indefeso.

E são atiradas de cima,
dos que se julgam liderar o que não lideram,
munidos de uma jactância superior
e as atiram ao rebanho (julgam eles)
de todos nós,
atentos, veneradores e obrigados,
como num “antigamente” repulsivo.

Martelam-nos o cérebro com o consenso
como se a palavra pudesse resolver,
por ela própria, diferenças insanáveis
na forma de encontrar o caminho comum
que nos afastasse deste “inverno do nosso descontentamento”
Mas, que de tão martelada,
nos impede de ouvir a expressão “bom senso”
que alguém mais inteligente e, sem medo das palavras,
nos fala da única forma de construir o futuro.
Outra palavra que, sem qualquer culpa própria,
é hoje usada para nos martirizar o entendimento,
e foi traída no seu mais puro sentido
pelos “vendilhões do templo” financeiro,
deve sentir-se agora muito desconfortável:
- a suave palavra conforto.

Os discursos políticos que colocam uns
na sua “zona de conforto” do poder discricionário
ou os que tentam roubar o “conforto” alternativo
aos ambiciosos desse mesmo poder
apenas nos conduzem a um desconforto colectivo
que irá desaguar, cedo ou tarde, na tal palavra
que um dia, sem medo, deveremos pronunciar
como causa maior da verdadeira luta política:
- o confronto !

Só fazendo a catarse das palavras do medo,
conseguiremos acabar com o medo das palavras.
Politicamente, o bom senso e o confronto
Salvarão mais vidas que o consenso e o conforto.
Mas isto, é apenas o que eu penso.

_________________________________
Este poema foi declamado, sábado passado, na abertura do ENCONTRO CDU, em Linda-a-Velha (Oeiras), no Auditório Municipal Lourdes Norberto,  onde o "Intervalo Grupo de Teatro" actua e o Fernando Tavares Marques é actor destacado. A peça em cena, "Doze Homens em Fúria", recomenda-se.
Na imagem acima, em primeiro plano, um jovem e promissor quadro autárquico da CDU - é vereador suplente na CM de Oeiras. Nuno Boavida, de seu nome.

7 comentários:

Anónimo disse...

Acabadinha de regressar do hospital, ainda sem conhecer os resultados dos exames complementares de diagnóstico, aplaudo este poema de Fernando Tavares Marques!

Maria João

Rogerio G. V. Pereira disse...

Então e este?

A MÁQUINA DO FUTURO

Os Donos disto Tudo
(os verdadeiros, que nem sequer conheces)
tinham inventado,
construído e exportado
em direcção ao sul,
uma máquina sofisticada
muito bem oleada,
embalada a primor com laços e uma flor
mas que desembrulhada
e posta em movimento
mais parecia um cilindro
ou rolo-compressor.

Mas os seus mandatários
fizeram uma festa e um grande foguetório
a dizer que era este o transporte ideal
para um povo simplório.

E o cilindro lá foi comprimindo
A vida e os sonhos dos povos do sul.
Onde o sol brilha mais e o mar é azul.
Eis que de repente
esta nossa gente de tão comprimida
achou que era tempo de mudar de vida.

Parou o cilindro, despediu capatazes
e pôs-se a construir o melhor transporte
que formos capazes.
Pode não estar pronto, que o futuro demora,
Mas é mais bonito por dentro e por fora.
Para o amesquinhar,” amigos da onça”
Dizem que o seu nome é a “geringonça”.
Mas há tanta gente que precisa dela
Que a sonha ver pronta p’ra seguir com ela.
Não sendo perfeita, vai-se melhorando
porque este projecto, sendo original,
é feito por nós, é artesanal,
pois é com trabalho que a coisa se faz
e tem um cartaz: “MADE IN PORTUGAL!”
A questão maior que faz afligir os senhores do Norte
é o medo enorme de que a gente a exporte.
Para eles, pode ser muito duro
mas a “geringonça” tem mesmo futuro!

fernando tavares marques

Elvira Carvalho disse...

Gostei muito. Li-o ontem reli-o agora.
Abraço e uma boa semana

Elvira Carvalho disse...

Gosto muito deste também.

Rogerio G. V. Pereira disse...

Lemos e relemos

Rogerio G. V. Pereira disse...

E de tanto
revolvi dar-lhe o destaque merecido

© Piedade Araújo Sol disse...

Já li os dois, mas confesso que gostei mais do AS PALAVRAS DO MEDO
E O MEDO DAS PALAVRAS
que poema excelente e bem escrito!
gostei muito!
beijo
:)