20 janeiro, 2018

Lá, tal como cá.

Nas últimas semanas escrevi umas coisas sobre a imprensa, sobre o seu poder, passei em revista as conclusões esquecidas de um Congresso de que já ninguém fala, fiz link para um vídeo onde o meu patrono Paulo Henrique denunciava "O Quarto Poder"  de lá e deu para eu concluir não ser muito diferente do de cá.


A propósito do que se passa lá:
«A cobertura jornalística tradicional que se delineia nas vésperas do julgamento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva tem confirmado a tendência conservadora de empresas de comunicação no sentido de criminalizar a figura do petista.
(...)
Um levantamento feito na época pelo Intervozes mostrou que, no Jornal Nacional, da Rede Globo, que é o noticiário televisivo de maior audiência no país, em 1h20min dedicados ao tema, a defesa de Lula teve apenas 13 minutos para se manifestar. Tal prática é rotineira, segundo Bia Barbosa. "É quase natural a gente ver esse comportamento agora nas vésperas desse julgamento porque isso, na verdade, só ratifica uma linha editorial que foi adotada há muito tempo"»
Texto do Intervozes, citado pelo "Portal Vermelho"
Para saber detalhes do que se passa recorro à minha fonte privilegiada (a TeleSUR, claro)