06 fevereiro, 2018

Festejamos o aniversário de um sorriso sem idade


Em tempos, em fase avançada no estudo para descodificador de sorrisos, já em pleno tirocínio, senti-me encorajado, depois de algum treino sobre o meu próprio, a fazer a anatomia do sorriso dela. 

Seguro de não usar técnicas evasivas que lhe fizesse doer a alma, a cada sorriso, lá estava eu a vasculhar-lhe a origem e a tentar perceber o porquê da insistência com que com toda a facilidade o sorriso aparece e depois, quando desvanece, nem lhe deixa marcas na cara. Ao fim destes anos todos, rugas? Nada. 

E quanto à etiologia, nada de ironia, nem troça, nem desdém. Um tanto de humildade e de timidez, também.

Provoco-a. Digo-lhe isto e mais aquilo e acabo com uma frase batida "Se não fosses tu, não sei o que seria de mim".
Como resposta, ela sorri. Sorri assim, como se vê aqui.
Enviar um comentário