23 julho, 2018

Centeno continuará a agradar a Bruxelas, a menos que...


Na foto, de 2016, Centeno com o então presidente do Eurogrupo, de um lado, e com o ministro das Finanças belga do outro. Estão sorridentes. Eles entendiam-se. Nessa oportunidade, os ministros das Finanças da zona euro iam discutir, em Bruxelas, o plano orçamental português para 2016. O debate sobre o documento iria ser feito à luz da opinião da Comissão Europeia, que na semana anterior aprovara o documento após intensas negociações com o Governo.
Foi assim, com o mesmo procedimento, que Centeno viu Buxelas aprovar os orçamentos de 2017 e 2018. O ministro, entretanto já presidente do Eurogrupo, aparecerá numa outra foto, porventura com os mesmos e com o mesmo sorriso, contente, a obter igual aprovação. Centeno já fez passar uma tonelada de recados. E será assim como até aqui foi, a menos que algo aconteça e se dê a inversão.

Qual inversão? Olhem os quadros abaixo, e discorram. E se por acaso precisarem de ajuda, não hesitem, consultem quem se dá ao trabalho de contrariar Centeno. Dou apenas um cheirinho:
«Enquanto nos últimos 10 anos a despesa com pessoal na administração pública decresce 5 mil milhões de euros, a despesa com juros e encargos da dívida cresce 3 mil milhões. Esse crescimento da despesa com encargos e juros da dívida encontra explicação no assalto especulativo à dívida pública desde 2009 e a sua origem não está numa política de investimento em serviços públicos ou de valorização dos trabalhadores, mas sim nos problemas do sistema financeiro e no envolvimento do Estado em negócios privados através das inúmeras Parcerias Público-Privadas, SWAP e outros que resultam em rendas devidas.»
 
Quadro 1 - Despesas do Estado por algumas funções
Fontes de Dados: DGO/MF – Relatório/publicação «Conta Geral do Estado»
Fonte: PORDATA
AnosEducaçãoSaúdeServiços culturais, recreativos e religiosos
2006 7 263,4 8 989,4 417,8
2007 7 232,1 9 129,3 397,8
2008 7 348,6 9 383.7 409,3
2009 8 507,4 9 632,6 397,6
2010 8 559,2 9 776,5 381,9
2011 7 878,5 9 171,7 318,6
2012 6 622,4 10 403,5 593,8
2013 7 108,4 8 588,8 197,1
2014 6 945,0 8 332,1 121,7
2015 (R) 6 755,8 (R) 8 518,4 (R) 115,9
2016 7 177,4 8 811,5 131,2
 

 
Quadro 2 - Despesas do Estado por algumas funções
Fontes de Dados: DGO/MF – Relatório/publicação «Conta Geral do Estado»
Fonte: PORDATA
AnosDespesas com o PessoalJuros e outros encargosSubsídios
2006 13 296,5 4 397,4 664,7
2007 13 639,2 4 719,9 656,0
2008 13 915,1 4 886,5 1 145,7
2009 11 484,3 5 006,7 785,4
2010 11 383,3 4 971,7 698,8
2011 10 293,5 6 039,2 601,6
2012 8 438,3 6 874,0 247,2
2013 9 234,9 6 842,6 406,1
2014 9 335,9 6 986,8 204,7
2015 9 090,0 7 096,0 119,1
2016 9 371,5 7 379,9 118,3

Sem comentários: