16 julho, 2018

O OBSERVADOR saudoso das politícas do "Arco da Governação"

«Nas situações em que as escolas com contrato de associação prestam um serviço educativo melhor que a escola estadual, qual o sentido de extinguir o contrato e optar pela pior solução para os alunos?», diz o Homem Cristo

«O fim dos contratos de associação representa a maior destruição de valor educativo de que há memória gerando repercussão negativa nas economias locais e a deslocalização forçada de milhares de alunos», diz um tal Muñoz

«transparência nos critérios», exige a Cristas. 
Tudo isto, escrito no mesmo espaço jornalístico de O Observador, deixa a dúvida de se o que lá também consta não terá a ver com a mágoa por os tais constituídos arguidos do Grupo GPS se terem deixado apanhar. E por se terem deixado apanhar, carrega-se neles com um texto urdido à laia de investigação jornalística sem acrescentar nada ao conhecido (ver abaixo, o vídeo).

O que dói à direita (e ao jornal) é ter o financiamento aos colégios privados caído a pique (de 136  a pouco mais de 50 milhões de euros, em 4 anos) e o financiamento ao Grupo GPS ter sido reduzido a quase um terço.

No seu artigo, O Observador adjetiva o trabalho da jornalista Ana Leal como reportagem, mas do que se trata é de um excelente trabalho de investigação que destrói a tese do Homem Cristo, as lucubrações do Muñoz e as lamurias da Cristas.

Sem comentários: