03 outubro, 2010

Homilias dominicais (citando Saramago) - 9



Mestre Bento, minha gente está sem sorte
tinha esperança de viver em democracia
Que fazer, Mestre Bento, dê-me o norte
“Antes de se acabar ainda havia”
-
Réplica a uma canção editada aqui

Na minha homilia de hoje proponho-vos uma reflexão sobre o estado da nossa Democracia, citando José Saramago e ouvindo-me a mim próprio sobre o assunto--


HOMILIA DE HOJE
«É preciso questionar a democracia para podermos reinventá-la e não permitir que seja pervertida pelo poder económico e financeiro que não é nem eleito pelo voto popular nem controlado pelos cidadãos» - José Saramago – Le Monde Diplomatique ,Edição Brasileira- 01 de Agosto de 2004
«Privatize-se tudo, privatize-se o mar e o céu, privatize-se a água e o ar, privatize-se a justiça e a lei, privatize-se a nuvem que passa, privatize-se o sonho, sobretudo se for diurno e de olhos abertos. E finalmente, para florão e remate de tanto privatizar, privatizem-se os Estados, entregue-se por uma vez a exploração deles a empresas privadas, mediante concurso internacional. Aí se encontra a salvação do mundo... e, já agora, privatize-se também a puta que os pariu a todos.» - José Saramago - Cadernos de Lanzarote - Diário III - pag. 148 

Corte-se tudo, corte-se o salário e por via dele corte-se tudo o que compõe a refeição: a sopa, o vinho e o pão. Corte-se na educação, no recreio, no ensino e na canção. Corte-se na saúde, corte-se na pensão. Corte-se na vida apressando a morte. Cortem-se as asas, os horizontes e os caminhos sobretudo aqueles que possam conduzir à felicidade dos povos. E se ainda assim a ditadura do mercado permanecer insatisfeita, esfaqueie-se a democracia. Será um corte indolor pois que ela há muito que entrou em coma… e, já agora, corte-se essa canalhada desnecessária à eutanásia pois, como sabemos, não está legalizada. - Rogério Pereira – Neste blogue, hoje no meu 308º post