18 outubro, 2010

Mentiras muitas vezes repetidas são verdades cientificas irrefutáveis (ou as 10 falsas evidências que justificam medidas socialmente injustas...);

Não acredito que o texto do Tratado de Lisboa contenha palavrões.
Admito que a palavra incompleta seja "funcionem".
Como todos sabemos, das expressões usadas, a mais grosseira foi "porreiro pá"...

Em texto anterior de introdução a esta série de posts sobre o "Manifesto dos Economistas Aterrorizados", referia o propósito de descodificar alguma linguagem mais técnica e simplificar a leitura do documento. Não se trata de tornar a sua leitura dispensável. Trata-se sim promover a sua leitura integral (aqui) partindo-se de um entendimento dos seus pontos principais. O documento, que foi pura e simplesmente ignorado pelos "economistas de serviço" e por toda a imprensa portuguesa, destaca o desastroso percurso das politicas europeias, na qual se integram os PEC nacionais e, naturalmente, o Orçamento para 2011:


"Para “tranquilizar os mercados” foi improvisado um Fundo de Estabilização do euro e lançados, por toda a Europa, planos drásticos – e em regra cegos – de redução das despesas públicas. As primeiras vítimas são os funcionários públicos, como sucede em França, onde a subida dos descontos para as suas pensões corresponderá a uma redução escondida dos seus salários, encontrando-se o seu número a diminuir um pouco por toda a parte, pondo em causa os serviços públicos. Da Holanda a Portugal, passando pela França com a actual reforma das pensões, as prestações sociais estão em vias de ser severamente amputadas. Nos próximos anos, o desemprego e a precariedade do emprego vão seguramente aumentar. Estas medidas são irresponsáveis de um ponto de vista político e social, mas também num plano estritamente económico." (transcrito do documento)
E como é possível tanta irresponsabilidade? É fácil. Basta lembrar as técnicas da comunicação ensaiadas e postas em prática por Goebbels e, assim, 10 mentiras muitas vezes repetidas tornaram-se em verdades cientificas e irrefutáveis. Eis as 10 mentiras que deixaram os economistas franceses aterrorizados:
  1. OS MERCADOS FINANCEIROS SÃO EFICIENTES
  2. OS MERCADOS FINANCEIROS FAVORECEM O CRESCIMENTO ECONÓMICO
  3. OS MERCADOS SÃO BONS JUÍZES DO GRAU DE SOLVÊNCIA DOS ESTADOS
  4. A SUBIDA ESPECTACULAR DAS DÍVIDAS PÚBLICAS É O RESULTADO DE UM EXCESSO DE DESPESAS
  5. É PRECISO REDUZIR AS DESPESAS PARA DIMINUIR A DÍVIDA PÚBLICA
  6. A DÍVIDA PÚBLICA TRANSFERE O CUSTO DOS NOSSOS EXCESSOS PARA OS NOSSOS NETOS
  7. É PRECISO ASSEGURAR A ESTABILIDADE DOS MERCADOS FINANCEIROS PARA PODER FINANCIAR A DÍVIDA PÚBLICA
  8. A UNIÃO EUROPEIA DEFENDE O MODELO SOCIAL EUROPEU
  9. O EURO É UM ESCUDO DE PROTECÇÃO CONTRA A CRISE
  10. A CRISE GREGA PERMITIU FINALMENTE AVANÇAR PARA UM GOVERNO ECONÓMICO E UMA VERDADEIRA SOLIDARIEDADE EUROPEIA
Se não quiserem ler o documento, ficam assim a saber que estas são as falsas evidências denunciadas por um grupo de economistas que até poderiam ser Portugueses. Portugueses horrorizados com os pressupostos do orçamento que vai, amanhã, ser viabilizado pelo PSD...