16 outubro, 2010

Hoje, Dia Mundial da Alimentação

------I
Não poeta,
Pão da alma, desse tenho
e dele não desdenho...
Preciso do outro,
que resulta de quem trabalha…
Nesse teu poema,
não há nada que me valha
Acredita,
que tempos houve em que tentei comer e comi
uma saborosa palavra.
Mas a fome, essa… voltava
Não poeta, hoje não preciso de ti

--------II
Tenho mar de dar peixe
Terras de semear
Força de fazer
Vontade de acontecer
Porquê, então
poemas sem pão
nem insurreição?

(Post inspirado pela Nossa Candeia, e pela Manuela)


Fechem a porta, não vá a fome entrar sem bater...
Abram a janela, pode a mudança aparecer...