23 junho, 2012

Dê-me uma quadra de São João, de alho-porro na mão...


Os martelinhos não substituirão tão antiga tradição 
Tiram-nos tudo, ó São João
Que fazer desta má sina?
Festejos são ilusão
Com martelinhos vindos da China

Com martelinho vindos da China
Vem meu santo em meu socorro
Inverte esta má sina
Devolve meu alho-porro

Rogérito
Uma explicação de_vida, dada por uma amiga (pós-edição, já em pleno dia de São João)
"O S. João continua a ser uma corrente de extraordinário civismo e convívio, ainda não vi até hoje que houvessem diferenças nesse aspecto, porventura alguns casos pontuais que outros possam ter observado e eu não. E os martelinhos não vêm da China não, embora possam haver imitações, os martelinhos foram inventados em 1963 por um português que tinha uma indústria de plásticos no Porto, o Sr. Manuel António Boaventura e não apareceram com o objectivo de serem usados no S.João, foi o povo que os adoptou (pesquisar no google a história dos martelinhos) que chegou a trazer dissabores ao seu criador. Cresci a ser despenteada pelo alho porro na noite de S. João e a cheirar a erva cidreira, bem como umas plumas bem cheirosas que passavem pelo pescoço e pelo nariz das senhoras e que nem sempre os maridos gostavam. Os martelos só me fizeram impressão no primeiro ano, de resto hoje já nem acho tanta graça ao alho porro. A delicadeza com que a maioria das pessoas brinca com o martelo mantém o espírito saudavel das festas Sanjoaninas." 
Beijos 
Branca