23 junho, 2012

Dê-me uma quadra de São João, de alho-porro na mão...


Os martelinhos não substituirão tão antiga tradição 
Tiram-nos tudo, ó São João
Que fazer desta má sina?
Festejos são ilusão
Com martelinhos vindos da China

Com martelinho vindos da China
Vem meu santo em meu socorro
Inverte esta má sina
Devolve meu alho-porro

Rogérito
Uma explicação de_vida, dada por uma amiga (pós-edição, já em pleno dia de São João)
"O S. João continua a ser uma corrente de extraordinário civismo e convívio, ainda não vi até hoje que houvessem diferenças nesse aspecto, porventura alguns casos pontuais que outros possam ter observado e eu não. E os martelinhos não vêm da China não, embora possam haver imitações, os martelinhos foram inventados em 1963 por um português que tinha uma indústria de plásticos no Porto, o Sr. Manuel António Boaventura e não apareceram com o objectivo de serem usados no S.João, foi o povo que os adoptou (pesquisar no google a história dos martelinhos) que chegou a trazer dissabores ao seu criador. Cresci a ser despenteada pelo alho porro na noite de S. João e a cheirar a erva cidreira, bem como umas plumas bem cheirosas que passavem pelo pescoço e pelo nariz das senhoras e que nem sempre os maridos gostavam. Os martelos só me fizeram impressão no primeiro ano, de resto hoje já nem acho tanta graça ao alho porro. A delicadeza com que a maioria das pessoas brinca com o martelo mantém o espírito saudavel das festas Sanjoaninas." 
Beijos 
Branca

17 comentários:

  1. Mas que jeitão
    para quadras do S. João
    com o alho porro na mão! :-)

    Abraço

    ResponderEliminar
  2. ai ai ai
    Seu Rogerio não vem com essa
    de que não és poeta
    pra mim ó
    és bom à beça!!!
    Parabéns por teus recados, poesias e alertas! bj!

    ResponderEliminar
  3. Devolve o meu alho-porro
    Devolve a minha alegria
    Ai S. João, nem teu socorro
    Me faz sentir vontade de folia!


    Bom S. João, Rogérito.
    Tenho pena que estejas longe, senão vinhas andar de baloiço com o João e o Júnior.

    ResponderEliminar
  4. Com alho-porro ou não
    o Rogério não deixa de
    me dar na cabeça mesmo com
    umas chinesices de importação.

    Mas dar na cabeça ao amigos
    faz parte da tradição.
    tal como comer sardinhas,
    pena é custarem um dinheirão.

    ResponderEliminar
  5. Ainda não comi sardinhas
    nem posso ir ao S.João
    o dinheiro só dá para as espinhas
    e para um bocadinho de pão

    Beijinhos e bom S.João :)

    ResponderEliminar
  6. Devolver o alho-porro,
    Para quê, meu S. João?
    Se não podemos zurzir
    O Coelho com ele não?

    Nem Coelho, Cavaco,
    Nem Relvas, nem Gaspariço
    Se safavam, pudesse eu dar
    Com força no seu toutiço!

    Boa noite de S. João!

    ResponderEliminar
  7. Rogério,

    Achei o máximo. Mas tive que ir saber o que era o alho-porro, pois não conhecia.

    Não tenho grande jeito para quadras por isso deixo só um beijinho

    ResponderEliminar
  8. Permita-me, caro Rogério, que manifeste uma posição diferente sobre esta questão que opõe o alho-porro ao martelinho de plástico.

    O alho-porro faz parte da tradição do São João no Porto. Ninguém duvida. Mas o significado do seu uso já se perdeu para quase toda a gente, embora eu ainda seja do tempo em que as pessoas guardavam os alhos-porros em casa durante o resto do ano. Para ser mais preciso, punham dois alhos-porros cruzados atrás da porta, para que o mau-olhado não entrasse em casa.

    O problema é que as novas gerações já não sabem utilizar o alho-porro no São João. De acordo com a tradição, o alho-porro deve ser usado tal como se documenta na imagem que encima as suas quadras: dando uma pancadinha com ele na cabeça das outras pessoas. Mansamente. Com toda a gentileza. Porque o São João do Porto é uma festa toda feita de sorrisos e de amabilidade, é uma festa em que as pessoas "com-fraternizam".

    O que se está a verificar cada vez com mais frequência entre os mais novos, no São João do Porto, é que eles esfregam alho-porro na cara dos outros. Agressivamente. Eu quase diria maldosamente. Isto é o total desvirtuamento do espírito do São João! E é precisamente o contrário do que manda uma outra tradição. O que esta tradição manda que se dê a cheirar no São João é a perfumada erva-cidreira, não é o malcheiroso alho-porro!

    Se é para ser usado esfregando-o na cara dos outros, então eu sou contra o alho-porro. É mil vezes preferível dar marteladas na cabeça das outras pessoas com o martelinho, mesmo que seja chinês, a agredir-lhes o olfato com o alho-porro. Pelo menos o plástico não cheira mal.

    ResponderEliminar
  9. Sempre muito aguerrida
    A interação que promove
    Um martelo e um balão
    E um "alegre" quem me acode?

    Bom S. João!

    Lídia

    ResponderEliminar
  10. Caro Fernando Ribeiro

    No meu primeiro São João, do alho-porro nem recordo o cheiro. Recordo que se havia martelinhos nem dei por eles (1979). Lembro-me que passavam por mim milhares de desconhecidos tocando-me com aquele simpático arbusto e recordo seus sorrisos. Nunca me ocorreu me interrogar se de facto, aquele pequeno toque me libertava de algum mau olhado...

    Quando reclamo o regresso dessa tradição o que na realidade peço é o regresso ao civismo...

    ResponderEliminar
  11. O S. João continua a ser uma corrente de extraordinário civismo e convívio, ainda não vi até hoje que houvessem diferenças nesse aspecto, porventura alguns casos pontuais que outros possam ter observado e eu não.
    E os martelinhos não vêm da China não, embora possam haver imitações, os martelinhos foram inventados em 1963 por um português que tinha uma indústria de plásticos no Porto, o Sr. Manuel António Boaventura e não apareceram com o objectivo de serem usados no S.João, foi o povo que os adoptou (pesquisar no google a história dos martelinhos) que chegou a trazer dissabores ao seu criador. Cresci a ser despenteada pelo alho porro na noite de S. João e a cheirar a erva cidreira, bem como umas plumas bem cheirosas que passavem pelo pescoço e pelo nariz das senhoras e que nem sempre os maridos gostavam. Os martelos só me fizeram impressão no primeiro ano, de resto hoje já nem acho tanta graça ao alho porro. A delicadeza com que a maioria das pessoas brinca com o martelo mantém o espírito saudavel das festas Sanjoaninas.

    Beijos
    Branca

    ResponderEliminar
  12. Já agora concorro também. Porque não? Com as mesmas palavras e uma pequeníssima alteração na métrica:

    Tiram-nos tudo, má sina
    Que fazer? Ó São João.
    Festejos vindos da China,
    São martelinhos: ilusão.

    São martelinhos ilusão,
    Vem meu santo d’alho porro,
    Devolve-me o São João!
    Inverte esta em meu socorro.

    ResponderEliminar
  13. "Os martelos só me fizeram impressão no primeiro ano, de resto hoje já nem acho tanta graça ao alho porro. A delicadeza com que a maioria das pessoas brinca com o martelo mantém o espírito saudavel das festas Sanjoaninas."



    Já todos sabíamos que o martelo só lhe custou no primeiro ano... depois foi um ver se te a vens, como se costuma dizer. :-)

    ResponderEliminar
  14. interesante... apesar de vir à ideia que alguns mereciam levar com uma marreta bem pesada naquelas monas...

    ResponderEliminar
  15. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  16. Sem martelo e sem manjerico
    São João já foi celebrado
    Por estas terras onde fico
    Com o bolso mais esvaziado.

    Beijinho

    * Não tenho jeito nenhum :)))

    ResponderEliminar