03 junho, 2012

Homilias dominicais (citando Saramago) - 86


"A caridade é o que resta quando não há bondade nem justiça."

Quando, no fim de semana passada, devolvi o saco a uma jovem, ela me sorrio agradecida e me disse - "Obrigada, santo senhor". Aquelas palavras só não foram inesperadas porque não esperava palavra alguma, bastava-me o sorriso. Senti aquele agradecimento como uma censura, ao me acudir à mente dizeres de Dom Hélder Câmara - "Quando dou comida aos pobres chamam-me santo. Quando pergunto por que eles são pobres chamam-me comunista." - E se toda aquela gente se empenhasse em questionar a razão das coisas? e os apelidados de santos procurassem a resposta?

 HOMILIA DE HOJE
"Felizmente há palavras para tudo. Felizmente que existem algumas que não se esquecerão de recomendar que quem dá deve dar com as duas mãos para que em nenhuma delas fique o que a outras deveria pertencer. Assim como a bondade não tem por que se envergonhar de ser bondade, também a justiça não deverá esquecer-se de que é, acima de tudo, restituição, restituição de direitos. Todos eles, começando pelo direito elementar de viver dignamente. Se a mim me mandassem dispor por ordem de precedência a caridade, a justiça e a bondade, daria o primeiro lugar à bondade, o segundo à justiça e o terceiro à caridade. Porque a bondade, por si só, já dispensa a justiça e a caridade, porque a justiça justa já contém em si caridade suficiente. A caridade é o que resta quando não há bondade nem justiça.
José Saramago, em "Outros Cadernos"

19 comentários:

AC disse...

Uma homilia para todos os domingos, de tão pertinente.
Rogério, perdoe-me o desabafo, mas às vezes, perante certo chico-espertismo que por aí campeia, só mesmo à marretada.

Abraço

.Carmen disse...

Sempre maravilhosas e verdadeiras as palavras de Saramago, que tanto aprecio ler.

© Piedade Araújo Sol disse...

homilia pertinente.

um bom domingo.

um beij

Anónimo disse...

Um saudoso professor me disse que nunca esperássemos nem rogássemos por justiça, pois que a espada dela tem 2 gumes - e que sim - esperássemos e rogássemos aos donos do tempo , do espaço, da vida, por misericórdia que é receber mais do que merecemos.
Não sei medir o merecimento meu ou o de qualquer pessoa - mas sei medir a necessidade - daí que sim, a caridade , a bondade deveria estar implícita em qualquer ato de qualquer pessoa - mas daí já é utopia e sim, os homens chamados santos estão por demais confortáveis prá que façam perguntas e é claro, Dom Hélder sempre esteve fora desse contexto, e ao perguntar, foi enviado a se calar no conforto de uma paróquia no Recife, em época da ditadura militar .
Continuo com Saramago.

Assim como na sua caravela - onde há quem tenha perene esperança e isso, é sinal de saúde emocional e quem fica perto, se contagia.
Muito bom!!!!

Barbara.

folha seca disse...

Caro Rogério
De facto, Saramago escreveu sobre temas que nos tranportam para os dias de hoje. O seu toque complementar trás-nos a realidade nua e crua.
Nunca tinha pensado nesta questão pela ordem com que hoje a pôs.
Abraço
Rodrigo

. intemporal . disse...

.

.

. a.pesar dos pesares . e são tantos aqueles com que nos debatemos neste quotidiano de e do quase nada . é sempre reconfortante saber deste povo e este povo . como um povo que age . pelas malhas do coração .

.

. é assim o povo português .

.

. e o actual estádio de sítio . comprova.o .

.

. um abraço .

.

.

Guma Kimbanda disse...

.


...o que nunca será demais relembrar.

Kandandos a atravessar tanto mar.

Margarida Costa disse...

"Quando dou comida aos pobres chamam-me santo. Quando pergunto por que eles são pobres chamam-me comunista."

Isto é um pouco verdade não é?
Beijinhos :)

Red Angel disse...

Palavras mágicas, para quem vê magia na vida!

heretico disse...

abraço, meu caro.

sempre oportunas as tuas homilias...

Lídia Borges disse...

As palavras de Saramago são sempre atuais,tocam os problemas a partir da raiz, da essência, como só o pode fazer quem possui um profundo conhecimento da Vida e do Homem.

L.B.

Pérola disse...

Grande filósofo e conhecedor das realidades. Palavras expressivas num tema tão polémico.
Tudo de bom!

Anónimo disse...

Para mim, a melhor homilia de sempre.

Pelo que aborda e pelo que aporta.
Tanta clareza no olhar e tanta certeza na reflexão.

Na bondade tudo cabe e nada mais é preciso.
Costumo dizer a muitos crentes, que não ser cristã não faz de mim melhor ou pior pessoa ... nem tampouco diferente.
Ser está dentro de cada um de nós, vem do gene e muito do berço, não se adquire num só livro.

Beijinho, amigo.

Graça Pereira disse...

Gosto das palavras de Dom Hélder da Câmara, um homem que foi sempre atual até ao fim da sua vida.Concordo com Saramago quando afirma que poria a bondade em primeiro lugar porque, quem a usa não pode ser de outra forma: senão justo e caritativo.
Beijo
Graça

BlueShell disse...

o "direito elementar de viver dignamente"...anda mais no campo da ficção!!! Infelizmente. Gosto de ti e e Saramago, sabes?
Um beijo e uma excelente semana, BShell

Maria João disse...

O Homem afasta-se cada vez mais da sua essência. Já não se caminha para se ser melhor pessoa todos os dias; interrogando imperfeições, limando arestas. Ser-se bom, é próprio dos ingénuos, daqueles que acabam desafortunados, sem mérito, sem luzes da ribalta, sem palmas. Vivem incapazes de ser de outro modo, e acabam fragilizados por outros que lhes roubam o direito de viver dignamente.
A bondade passou a ser um atributo raro, próprio dos santos, talvez, mas, acima de tudo, próprio daqueles que insistem em pautar a sua vida pela suprema condição que os define. Humanidade.

Tão lúcidas as palavras de Saramago...

Um abraço, Rogério

O Puma disse...

Na verdade o coração é tão só

um músculo
... e já é tanto

Lucidas as tuas palavras e as de Saramago

Abraço

manuela baptista disse...

é assim, José!

Saramago

e juntemos à bondade e à justiça, a esperança

sem ela não conseguiremos nada

Rogério, um abraço

Anónimo disse...

É uma homilia a estar sempre presente, hoje e todos os dias. O Saramago era um homem sábio e bondoso (de uma maneira que me parecia justa). Com uma mão damos a esmola e com a outra devemos tapar a cara escondendo a nossa vergonha. A humanidade chegou até aqui. Chegar a um dado lugar, alcançar um determinado ponto,nem sempre significa que se tenha feito uma caminhada. A esperança começa a parecer-me inusitada, deixa sempre ficar tudo tal como está, mas também não sei qual é a solução, apenas me parece que não houve caminhada. Abraço.