23 maio, 2013

Poesia (uma por dia) - 38

imagem sugerida por uma sua amiga

Defesa contra o ataque
nestas horas pardas
dos dias arrependidos
há gente a matar
gente a morrer
gente a matar-se
gente a deixar-se morrer
a morte contínua
tecida na vida intermitente

nestas horas sombrias
dos dias gastos
fecho as janelas
corro as cortinas
não quero saber de viver
não quero saber de morrer
aqui não há tempo
nem consciência

só eu suspensa nos fios de cristal
dos meus sonhos adiados
pesando-lhes a resistência

Uma Rapariga Simples / Rimas Imperfeitas