07 outubro, 2014

"apenas uma parte residual dos votantes de Marina passarão para o lado de Dilma" ?

A sinceridade espelhada na face pode vir a decidir a segunda volta, que depende mais da posição do PSB do que da orientação de voto de Marina Silva (que no funeral acenava e sorria). Há imagens que valem mais que mil palavras...

Treinados pelas metodologias de abordagem da imprensa Lusa (que não é muito diferente da brasileira) alguns comentadores, daqueles que são encartados (e também da blogosfera), dão, como prognóstico, a incerteza no desfecho. Entretanto, suprema ironia, vão semeando no argumentário que "apenas uma parte residual dos votantes de Marina passarão para o lado de Dilma", ou seja, a vitória da direita são "favas contadas". São destros em "caras" e em "aritmética". Ora a Marina, que é moça ladina, mas que saiu do partido da Dilma para fazer-lhe frente apoiada pelo Partido Socialista Brasileiro (depois da morte de Eduardo Campos), está hesitante se arranca já (ou só depois) com o seu próprio partido. Independentemente desta incerteza, uma coisa de duas coisas parece certa: ou o Partido Socialista se sente barriga de aluguer, e não segue mais o que diz esta mulher, ou esse partido ficará feito em cacos e a sua base eleitoral ficará esfrangalhada. Em qualquer das hipóteses, o apoio a Dilma parece depender mais do Partido Socialista do que da desacreditada Marina. E ela sabe-o, os nossos comentadores é que não (ou fingem não saber)...