03 janeiro, 2015

Há poemas-bandeira, poemas-denúncia, poemas-grito. O "Estética do Domínio" é tudo isso e aponta um caminho. É um hino!


“Estética do Domínio”

Tornaram bonitas as barrigas inchadas dos meninos pretos,
as moscas vagueando pelas bocas dos famintos,
tornaram heróis quem lhes manda arroz à beira do prazo de validade,
quem usa na lapela um broche de caridade.

Arrepiam-te os olhos esbugalhados da criança em sangue,
mas entorpece-te a habituação, toma-te uma certa vontade que se esgota
no anúncio do patrocinador do world press photo.

Imunizam pela estética a revolta, volvendo-a piedade,
os ossos da miséria montam cadáveres pelos campos estéreis,
arrasados pelo napalm e fósforo da liberdade.

Contemplação de um belo nascido do lodo que esconde
o que mais feio há na verdade.

Que belo não é o choro, é o que o acaba.
Não é a fome, mas o que alimenta.
Belo não é o osso despido, mas a pele que o cobre,
belo não é carpir lamentações, é fazer revoluções.

Miguel Tiago

5 comentários:

Observador disse...

Tive que ler duas vezes, confesso.
Muito bom este trabalho. Seria de esperar outra coisa?

Pata Negra disse...

Como é que este puto, que trabalha mais que um homem, mais do que dois deputados do PS, mais do que três da maioria, ainda consegue ter o espírito liberto que exige a poesia?!
Gostei do risco onde entrou este poema.
Um abraço para a conversa avinagrada para não entornar o vinho azedo

Fê blue bird disse...

Já o admirava como deputado, passei a admirá-lo agora como poeta !
Um poema que abala as consciências.

beijinho amigo Rogério,obrigada por esta partilha!

Mar Arável disse...

A poesia não tem limites

Graça Sampaio disse...

Poema duro por de mais! A vida é dura, diga-se.... mas vale pela beleza e pela força do último verso.

Não lhe conhecia a veia poética, não senhor!