31 agosto, 2012

António Manuel Hespanha - Eu não me presto muito a insinuações, mas não me admiraria que na direcção da cooperativa esteja um punhado dos poucos que nos dominam. E eles não perdoam...


A blogosfera limita-se a repetir-lhe as palavras... 

Para clarificar eventuais mal entendidos, o professor Hespanha escreve hoje, na sua página do facebook: "a inicativa de não renovar o meu contrato foi decidida pela direcção da cooperativa que é proprietária da UAL". Assim, fica afastada qualquer hipótese de estar em causa pela Universidade a qualidade pedagógica ou cientifica do professor, de que goza, aliás, elevada reputação a nível internacional.

Não me presto muito a insinuações, mas não me admiraria que na direcção da cooperativa esteja um punhado dos poucos que nos dominam. E eles não perdoam...
"Portugal é dominado por cerca de 1500 a 2000 pessoas que funcionam em circuito fechado ― passam da oposição para a situação, depois para o Governo de onde saltam para empresas públicas, para bancos, para empresas privadas ligadas ao Estado, para conselhos de administração de televisões e empresas de média, para a direcção de jornais, voltam de novo ao Governo, etc. ― sempre as mesmas pessoas em animado carrossel, que falam entre si e para si, e tratam fundamentalmente dos seus interesses, enquanto o resto dos habitantes de Portugal são a Gleba a quem tudo é retirado e nada tem."
António Manuel Hespanha, in "Prós e Contras"