03 agosto, 2012

Falar da Síria... à séria

Num outro Agosto,faz agora um ano, eu fazia um link a um artigo intitulado: "Uma "guerra humanitária" à Síria? Escalada militar. Rumo a uma guerra mais vasta no Médio Oriente-Ásia Central?" da autoria de Michel Chossudovsky. O artigo começava com uma confidência de um general e vinha, até, com o nome do senhor, um tal Wesley Clark, que segredava mais pelo vicio de falar em segredos que pela vontade de os guardar:
"Quando retornei ao Pentágono em Novembro de 2001, um dos oficiais militares superiores teve tempo para uma conversa. Sim, ainda estamos em vias de ir contra o Iraque, disse ele. Mas havia mais. Isto estava a ser discutido como parte de um plano de campanha de cinco anos, disse ele, e havia um total de sete países, a principiar pelo Iraque e então a Síria, Líbano, Líbia, Irão, Somália e Sudão".
E não é que, depois de eu confirmar que tudo como ele disse se estava a passar o Michel Chossudosky faz outro artigo e reconfirma tudo. Reconfirma com mais nomes e factos. Este novo artigo deixou-me aterrado, desde logo pelo titulo agora dado: "A guerra dos EUA-NATO contra a Síria: Forças navais do ocidente frente às da Rússia ao largo da Síria", e trás fotografias, designadamente esta:


...e este navio atracado tem outros, EUA-NATO, espalhados por todo o lado,
o que me dá uma dor de cabeça do diabo...

A quem não dói a cabeça é ao Pureza, que no seu falar "independente moderado", ignora este facto. Este e outros. Ignora até mesmo coisas que o Paulo Dentinho aflorou e que eu, sabendo ler nas entrelinhas, lá vou magicando sobre o que se passou e vai passado. Quer também saber? Basta ver. Ver e ouvir com disposição de  escutar. O quê? Isto, isto e isto. Ou me engano muito ou o Dentinho, pelo mínimo, vai levar um puxão de orelhas por não dizer as coisas direitas e deixar que se entenda nas tais entrelinhas... 

Quem a partir de hoje dormir descansado eu acho que está embalsamado. Ou então é... um zumbi.

NOTA: Nos três links referentes ao "serviço" de Paulo Dentinho, o que vale a pena ouvir são os directos... O resto, se tiver tempo...

6 comentários:

Caroline Godtbil disse...

Estava eu aqui, tão tranquila na minha santa ignorância e agora me sinto em plena guerra... por que nosso queridos americanos e seus rivais, os russos, se acham tanto um quanto os outros, no direito de brincar com o mundo???
Inquietude agora é pouco!
Beijo.

Lídia Borges disse...

A manipulação das notícias é um facto inegável que "trabalha" a opinião pública segundo os interesse dos mais poderosos.
Mas isso tudo não chega para atenuar a angústia que sentimos ou deveríamos sentir, perante as atrocidades que sabemos reais, na Síria, e não só. Estou a tentar convencer-me de que o Iraque conseguiu desgastar os cofres dos EUA ao ponto de inibir uma nova intervenção militar, agora na Síria. Claro que isto sou eu a navegar estrelas.
Descansado ninguém pode estar, isso é verdade.

Um beijo

Fernanda disse...

Muito, mas mesmo muito preocupante.

Que acordem os embalsamados ... se forem a tempo!
Beijo.

São disse...

E ainda hã quem diga que a História não se repete!!!!

Um abraço, amigo meu

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Na Síria, como na Líbia,os rebeldes sempre foram apoiados ( para não dizer instigados à luta armada)pelos americanos que continuam sem perceber pêva do que é aquela região e estão a alimentar alegremente os seus inimigos futuros.

jrd disse...

A séria, à séria!
O que importa é garantir que no futuro continuarão as guerras.