19 março, 2013

Dias do pai, com testemunhos de filhas....


 I
Palminhas, olaré, palminhas
A mãe dá maminhas
E o pai, quando vier
Dá aquilo que trouxer

Veio, e nada trouxe
De mãos vazias
Olhou-a
E o menina sorria
como sempre fazia
 II
Mordiscava a ponta da caneta
Enquanto desenhava uma borboleta
Pousada sobre uma flor
Em baixo, em escrita trémula e desalinhada
Deixava a frase que a professora lhe segredara

III
Ser pai requer um nível mínimo
de serviço, preciso
Sê-lo todos os dias, com um sorriso
 IV
O meu quase-pai está sempre bem-humorado e nunca se zanga seriamente. É uma base estável e segura para se conhecer o mundo, do exterior do mundo. Presta-me ajuda quando preciso, bastando um hesitante olhar para que entenda tudo, como se lesse as entrelinhas da minha alma. (escreve ela)
V
 

13 comentários:


  1. Ui, Rogério! Este foi forte...

    A Alexandra cansou-se de ser "intermitente" e está agora na Noruega. Sei que gostava de estar aqui para ajudar "a partir o espelho da Alice".

    Um beijo

    ResponderEliminar
  2. Excelente entrada, un placer pasar a leerte!
    te dejo un fuerte abrazo.

    ResponderEliminar


  3. Porque hoje não estou cá, apesar de já ter estado lá, deixo um beijo

    Laura

    ResponderEliminar
  4. Felzi Dia do Pai, amigo, porque o merEces!

    ResponderEliminar
  5. Há que retribuir fazendo deste dia também o dia das filhas.

    ResponderEliminar
  6. Quando vi e ouvi a Joana Manuel, fiquei com um nó na gargante pois ela disse tudo o que esta geração sente.
    Os pais vai aguentando até quando?

    «Ser pai requer um nível mínimo
    de serviço, preciso
    Sê-lo todos os dias, com um sorriso»

    Com um débil sorriso me despeço.
    Feliz dia para si meu amigo

    ResponderEliminar
  7. Belos versos ao(s) Pai(s)!

    Beijinhos para os Pais aí de casa.

    ResponderEliminar
  8. O Pai veio e nada trouxe
    De mãos vazias
    Olhou a menina
    Que sorria
    Como sempre fazia.

    Esqueceu-se o Pai de falar
    Nos desenhos que a menina
    Desenhava e lhe enviava.

    Chegaram mais duas princesas
    Que tiveram o Pai mais presente
    E como a Maria João, sorriam as três muito contentes.

    Hoje, há uma casa cheia
    De filhas, genros e netos
    Andam sorrisos no ar
    E um dia chegarão bisnetos…

    Feliz dia do Pai, Rogério!

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  9. Janita,

    Por isso que deixaste escrito
    já fazes parte da família :))

    ResponderEliminar
  10. Obrigada, Rogério!
    Fazer parte de uma família como a sua é uma honra que ultrapassa todas as minhas mais elevadas expectativas! :))

    ResponderEliminar
  11. Forte! Fortíssimo, este discurso da Joana Manuel! E muito lúcido!


    O meu abraço!

    ResponderEliminar