05 março, 2014

Desmanipulando - III


A imagem da esquerda ostenta um dramático apelo, um SOS com um pedido aflitivo à prece: "Pray for Venezuela", lê-se. Bem mandado, estava eu a meio da reza, e Deus puxa-me pelo braço. "É pá, pára! Metem-me nestas coisas, mas Eu nada tenho a ver com elas".... e colocou-me na mão a imagem da direita, dizendo-me: "É pá, isto lá na Síria, deixou de ser notícia, mas está a ser usado..." Dito isto Deus foi-se embora e... não sei se volta.
Acho que o Mundo está entregue ao Diabo!

Mas... (já agora) é boa hora! É hora de actualizar coisas ditas. Dizia eu que, na Venezuela, o grande cismo do "chavismo" com o passado, foi o envolvimento da população em actos de cidadania, e falava que as eleições passaram de uma participação de 60%, em 1993,  para 80,9% na última eleição de Chaves, em 2012. Chaves faleceu, mas Maduro não fez decrescer muito a intervenção, venceu com uma taxa de participação de 78,71%. A guerra aberta e a encoberta (re)começou nas eleições municipais, com a taxa de participação a descer ao nível da participação "tuga": 59% (apesar do  PSUV e seus aliados ganharem 196 prefeituras, enquanto a coligação da direita se ter ficado pelos 53).

Moral conclusiva? Tire-a, depois do escrito e de ver o vídeo: