31 março, 2014

É a dialética da natureza, onde nada sobrevive sem seu contrário...


Na natureza é tudo mais claro, e basta que se compreenda para o equilíbrio se dar. Em nós é mais difícil aceitar que precisamos dos nossos lobos para que não transformemos, a nossa alma num deserto de afectos e o nosso corpo numa aridez de gestos...