16 março, 2014

Geração sentada, conversando na esplanada - 56 (classe média)

(ler conversa anterior)
«Não é possível discutir racionalmente com alguém que prefere matar-nos a ser convencido pelos nossos argumentos...»

Na esplanada, a algazarra fazia-se em tom moderado. Uma voz se destacava, de quando em quando, lá da mesa das professoras, onde a conversa era acalorada. Discutiam-se comportamentos e definições do que era, seria, a classe média. 
- "Falam do seu poema", disse o engenheiro acariciando, distraidamente, o cão rafeiro. "Olhe, acho que estão a confrontar os comentários de ontem com os que tinham deixado o ano passado..." Concentrei-me, e apercebi-me que assim era. De repente, perguntou-me, mudando de assunto:
- "Correu bem? Foi aplaudido o seu discurso?"
- "Como sabe que fiz uma intervenção?"
- "Ao certo, ao certo, não sabia. Mas sabendo a responsabilidade que tem... correu bem?"
- "Fiz má gestão do tempo, não cheguei à parte fundamental, onde citava Álvaro Cunhal..." 
- "Citava o Álvaro? E qual a citação?
- "Se fôssemos dizer: não devemos entender-nos com ninguém que nos ataque, então não nos entendemos com ninguém. Todos nos têm atacado. Portanto é necessário ver que, embora todos nos ataquem, há homens que não são comunistas, que têm preconceitos anticomunistas, mas que podem vir a ter uma posição de cooperação connosco...", dito na Marinha Grande, em 1976
- "Exactamente o contrário do que dizia Kopler!"
- "Não exactamente! Mas haverá sempre alguém preferirá matar-me, a escutar-me..."
- "Alguém como a personagem do seu poema?"
- "Como a personagem do meu poema!"