19 março, 2014

Vinagrada (ou a verdadeira razão que baptiza este espaço)

(texto que me veio à ideia ao ler este post

Ele, criança, seguia os movimentos das mãos da mãe que com gestos lestos preparava a refeição. Naquele tempo, ou a falta de conduto ou a chegada do suão determinavam o que comer. E era mais difícil superar a penúria do que suportar aquele vento quente que abrasava tudo. A faca afiada ia cortando em pedaços todos os ingredientes. O tomate aos quartos, os pimentos em finas tiras transversais, como que para ornamentar. A cebola picadinha, picadinha. O alho ainda mais picado e o pepino, depois de feitas as rodelas, iam sendo também cortados em pedaços, uns maiores outros mais pequenos, como se obedecesse o corte a regras geométricas, precisas. A criança não tirava os olhos dos gestos, embora fossem exactamente os mesmos dos que foram antes, e antes, e nos outros dias até ali. A mãe pressentindo-lhe o insistente olhar, pergunta-lhe "queres, ajudar?" Ele abanou a cabeça, esboçando um leve sorriso de agrado. A mulher pousou a faca, passou as mãos pelo avental e arrastou o banco para perto da mesa. Ele subiu, sozinho e um pouco a custo. "Pica aqueles coentros" disse a mãe, enquanto pegava na pequena bilha de barro, com pequenas pedras brancas embutidas configurando desenhos de flores mal talhadas. Despejou na malga um pouco de água. Mesmo muito pouca, pois o que contava era a frescura. Temperou com um fio de azeite e quatro colheres de vinagre, juntou-lhe óregãos e bocados de pão migados à mão. A criança estendeu-lhe a pequena tábua com os coentros, para que os juntasse. Sentaram-se e a mãe serviu, depois de acrescentar uma pitada de sal. Comeram silenciosamente a vinagrada.
____________

Mantenho o gosto de cozinhar e, lembrando-me desses tempos, peço sempre a quem me olhe, que me ajude e ... pique os coentros.

11 comentários:

  1. Lindo, adorei. E nada de vinagre, afinal
    Kis :=)

    ResponderEliminar
  2. Gaspacho… ou arjamolho!!

    Um prato que faço com frequência mas que me sabe melhor em Portugal porque quem o faz sabe fazê-lo à alentejana… uma versão deliciosa para acompanhar sardinhas assadas!
    Rogério… do que me fez recordar neste momento! : )

    O prato favorito dessa mãe e do seu filho.

    ResponderEliminar
  3. Bom dia Rogério.
    Estava à espera que me convidasses. Gosto dos cheiros e dos sabores tradicionais da nossa cozinha e sempre que posso meto a mão na massa

    Esta semana fizemos assim mesmo como escreveste. Juntou-se o que havia e no fim cercamos a salada com um lento fio de azeite.

    Um abraço retribuindo carinho e amizade.

    ResponderEliminar
  4. Ler este poste tão apelativo na sala de espera de um aeroporto pode ser desesperante.
    Bem, vou comer uma sandes antes de bater as asas...

    :)

    ResponderEliminar
  5. hoje é um petisco de luxo...mas, "ontem" era um tapa-fomes.

    ResponderEliminar
  6. Faço-me convidada desta deliciosa receita nada avinagrada.
    Memórias que o gosto apura.

    beijinho

    ResponderEliminar
  7. Com a aproximação dos dias quentes, começa a apetecer esse tipo de refeição.
    Sabe Rogério? O meu prato preferido em tempo de férias, o famoso gaspacho, com sardinhas assadas e batatas cozidas com pele...

    Abraço!

    ResponderEliminar
  8. Belo quadro do menino
    com sua mãe a enredar o suão
    e, quem sabe? a precisão
    sem horizonte e sem destino?

    ResponderEliminar