26 julho, 2011

Poemas na praia (escritos para mim) - VII



Refresca-te, irmã,
na água da pequena tigela de cobre
com pedacinhos de gelo,
abre os olhos sob a água, lava-os,
enxuga-te com a toalha áspera
e lança um olhar num livro que amas.
Começa assim
Um dia belo e útil.

Bertolt Brecht (1898-1956)


NOTA: Brecht é por mim lembrado não apenas pelo poema (um apelo que eu faria a despertares?), mas pela leitura que tenho dos acontecimentos da Ilha de Utoya (Noruega).
Podia também citar as Crónicas do Rochedo, ou contar os "picos da roseira brava", mas sairia, de todo, fora do contexto desta série...

16 comentários:

jrd disse...

Tens razão. Evoquemos o grande Brecht num dia belo e útil.

samuel disse...

Fiquei aqui em excelente companhia.
Lavemos então os olhos e lancemos o olhar sobre as coisas que amamos!

Abraço.

AC disse...

Rogério,
Há autores intemporais, e Brecht é um deles...

Abraço

Mel de Carvalho disse...

Brecht será sempre uma referência no pensamento de pessoas de bem.

Bem haja, Rogério.
Abraço daqui, algures entre a serra e o rio :)

folha seca disse...

Caro Rogério
Talvez na poesia encontremos a serenidade suficiente para tentar entender actos para os quais a inteligência (pelo menos a minha) não consegue encontrar explicação.
Abraço

PS. Gostei de ver por aqui o Samuel cuja voz tem sido um excelente instrumento na divulgação da boa(e com conteudo) musica Portuguesa.
Para ele um abraço.
Rodrigo

Ana Tapadas disse...

Reflexão - poema muito a propósito dos tempos que vivemos...

bj

Mar Arável disse...

Brecht pois claro

par nos limpar os olhos

Abraço

Gisa disse...

Sentimento de paz e coragem para enfrentar o mundo.
Um grande bj querido amigo

Fê-blue bird disse...

Nada melhor que um poema de Brecht para fazer com que o dia seja belo. Por um momento esquecemos o mundo.

beijinhos

carol disse...

Muito sensibilzada pela sua referência aqui ao meu modesto blog.

Quanto a Brecht, de facto tem poemas e textos muito bons, mas fiquei bastante "traumatizada" porque na Faculdade tive de ler e analisar a Mutter Courage und Ihre Kindern em alemão... e eu nunca gostei de alemão. (Fiz Germânicas apenas por causa do Inglês...)

heretico disse...

abraço.
a evocação de Brecht é lapidar.

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Obrigado pela referência ao post do "manipulador", caro Rogério :-)

São disse...

Para algumas criaturas acordarem nem todo o gelo dos polos chegaria ou muito me engano!

Consolemo.nos então com boas companhias, que lhe agradeço, meu caro Rogério

Sandra disse...

Limpemos pois os olhos e comecemos um novo dia!
Beijinho

Lídia Borges disse...

Parece-me haver uma única leitura dos acontecimentos ocorridos na Noruega que passa por uma crescente procupação quanto ao rumo que esta Europa desnorteada dá conta de querer seguir.

Sabe Rogério, um dia ainda vou criar um blogue cuja temática incida sobre as questõs sociais e humanas. O que tenho é sobre a poesia que vejo nas pequenas coisas do quotidiano. Quando me sentir capaz, falarei de coisas grandes.

Um beijo

ematejoca disse...

Pois bem, sobre os acontecimentos na Ilha de Utoya nem quero falar, porque o meu filho herdou de mim a simpatia pela Escandinávia e costuma passar lá as suas férias.
De qualquer maneira fiquei horrorizada ao saber que num país tão civilizado como a Noruega acontecesse um tal acto de LOUCURA, que nada tem nada a ver com uma Europa desnorteada, porque LOUCOS HÁ-OS EM TODAS AS PARTES DO MUNDO!!!

Também estudei Brecht aqui na faculdade, mas com o maior amor e carinho.