28 julho, 2011

Poemas na praia (escritos para mim) - VIII

.

"(...) as palavras saem de todo o lado. Coração e cérebro são os grandes responsáveis. Um irriga o outro e este converte a vivência em algo a transmitir. Os olhos e ouvidos são acessórios importantes. Mas, no fim de tudo, são as mãos as principais responsáveis pela existência das palavras dignas
(e das outras). Tudo o que o homem fez e faz, sai-lhe das mãos. As mãos são a génese da inteligência humana. Quem não fez nada na vida e humildemente não reconhece isso, não tem uma mão cheia de palavras que valham a pena integrar na comunicação humana sob a forma de um livro, de canção ou outra qualquer..." Ao escrever isto nem previa que a Lídia (Seara de Versos) me daria um dia a definição de mão, que tira e dá, sob a forma de Terra... Um poema para mim... assim:

TERRA
Do canto da terra
Sei o fruto, a polpa e a casca.
O refrão a entoar ternuras
Na voz dos pássaros.

Do seu pranto
Sei os homens,
As magras paisagens
De áridos futuros.

Alguns dizem: - bastam-me as mãos
Para fazer brotar fontes e rios
Outros porém,
De muitas sedes nascidos,
Bebem até à derradeira gota
As fontes e os rios
E dizem: - bastam-me as mãos
Para fazer brotar desertos.

Da terra sei a secura
E a interdição da água
Na véspera da lágrima.

--------------------Lidia Borges

11 comentários:

folha seca disse...

Meu Caro
Só me ocorre repetir um comentário que deixei um dia destes ao Eufrázio.

"com mãos tudo se faz e se desfaz,
Como cantava o nosso Adriano".
Abraço

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

O Folha Seca "tirou-me" a citação que logo me ocorreu quando acabei de ler o post. Agora fiquei sem comentário...

Rogério Pereira disse...

Todos "os mortos amados batem à porta do poema".
Também eu lembrei Adriano e... Manuel Alegre

intimidades disse...

nunca sei como comentar por escrito um poema

comento-o sempre com a expressao do corpo.

Bjinhos
Paula

Lídia Borges disse...

Comecei a escrever uma coisa assim. Está inacabada.

Hoje é de mim que falo
Da minha impaciência com o poema
Pela sua crueldade de germinar
do lado de dentro de mim
Egocêntrico
......

Queria dizer alguma coisa em sintonia com Oscar Wilde :"Toda a arte é completamente inútil" Talvez o acabe.

Obrigada!...

Um beijo

Rogério Pereira disse...

Hesitei no poema a postar (gosto de tantos...). Postei este, por que falar de mãos e da terra, duas palavras-referência que me tocam em qualquer poema. Por outro lado lembrava, ainda que vagamente, quem outros amigos foram lembrar. O poema também vale pelo que se infere ou sugere...
_________

Quanto à citação de Oscar Wilde, não concordo com ela. Mais útil que a arte, só o pão. Possívelmente nem ele próprio concordaria... (todos sabemos que por vezes dizemos coisas de que nos arrependemos...)

Sou anti "Ars Gratia Artis". (como pode ver no meu baú...)

intimidades disse...

Obrigada pela visita e pelo comentario :)

Espero que continue a gostar das fotos que ponho no meu blog, quero mostrar a arte do nu femenino, da capacidade para passar emocoes que tem :) e tentar mudar nem que seja de uma maneira infima a maneira como tem sido destratado :)

Bjinhos
Paula

carol disse...

Muito bonito. A Lídia escreve poemas muito bonitos, muito fortes!

Janita disse...

E porque tudo o que o homem fez e faz, lhe sai das mãos... e as mãos são a génese da inteligência humana... Eugénio de Andrade passou para as minhas mãos este testemunho, que entrego nas suas.

Segure-o com ambas as mãos e leia-o quando o sorriso se ausentar...


"Só as tuas mãos trazem os frutos.
Só elas despem a mágoa
Destes olhos, e dos choupos,
Carregados de sombra e rasos de água.

Só elas são estrelas
Penduradas nos meus dedos.

– Ó mãos da minha alma,
Flores abertas aos meus segredos!"

manuela baptista disse...

bonito o poema para si

admiro-O! na praia e está cá com uma energia...

boas férias!

um beijo

manuela

Ana Tapadas disse...

O poema é muito belo, pena que a mensagem ande tão esquecida.


bj