02 julho, 2013

Passos, Portas, Seguro, os comentadores de serviço, os canais de televisão, todos alinham pelo mesmo diapasão... Falta vir Cavaco falar-nos do inesperado!

"No dia 22 de Outubro de 2012, há pouco mais de oito meses, dirigi-lhe uma carta em que assinalava a urgência da minha substituição no cargo de Ministro do Estado e das Finanças. Agora, em meados do ano seguinte, essa substituição tornou-se inadiável..." Gaspar, na tal carta de renúncia
Inesperado o carago! Cada um foi delineando o que dizer, para o dia em que viesse a acontecer! E a encenação continua, e continuará mesmo depois do governo ir para a rua. Os comentadores, que se bem se lembram há oito meses atrás eram bem menos, farão o papel que lhes foi traçado. Continua o teatro, mesmo sem as pancadas de Molière.

Só que há uma realidade que terá mudado: ninguém liga às marionetas. Acabou-se o teatro. E é na rua que a luta continua!