09 julho, 2013

Poesia (uma por dia) - 46


Quando acordar...
Minha Alma olhava
Meu Contrário
de soslaio
sem o encarar de frente
Meu Contrário
tinha um ar ausente
talvez amargurado
talvez vencido
Minha Alma
não tinha coragem
de lhe dirigir palavra 
Eu esperava pelo desfecho da cena
impotente para animar um
confortar o outro
e sem saber
o que fazer

"Não sei se tenho mais forças"
Disse ele, como se o pensamento tivesse voz
Como se a alma falasse, ela lhe respondeu
"É apenas o corpo, descansa"

Ele caiu nos braços dela e adormeceu, como uma criança
Rogério Pereira 

10 comentários:

quem és, que fazes aqui? disse...


Que cansaço imenso o de pregar para areias, Rogério!

Sabe que gosto da sua poesia! Continue!

Beijo

Laura

Maria João Brito de Sousa disse...

Já tinha espreitado este quase conflito entre a tua alma e o teu contrário que decidiste expressar em forma de poema. Gostei, Rogério!

O meu abraço!

jrd disse...

E há lá melhor acordar do que o da "criança"!?

Gisa disse...

Deixa, eu cuido deles. Só estão cansados. A luta é dura. Deixa eu cuido deles. Descansa tu.
Um beijo querido amigo

Sonhadora (RosaMaria) disse...

Meu querido amigo

Por vezes queremos mesmo adormecer como se ainda fossemos crianças, sem as preocupações que a vida nos dá.
Mas a força do corpo vai vencer o cansaço da alma.

Um beijinho com carinho
Sonhadora

heretico disse...

a luta continua...

está na Hora.

abraço

Lídia Borges disse...


Pois! É preciso que o corpo não [nos] falhe.

Disse-o bem, o Rogério.

Um beijo

Branca disse...

Gostei da tua poesia.
É isso mesmo que se passa por aqui. Fruto do termpo que vivemos, desemprego jovem, jornadas de trabalho prolongadas para os mais velhos - contradições e injustiças que nos deixam por vezes amargurados, outras adormecidos de cansaço, mas de consciência tranquila, como crianças.

Beijos

Carla Pinto Coelho disse...

O meu Contrário quer estar em parte incerta, não sei se tem sono ou não, mas não quer estar onde eu estou.

© Piedade Araújo Sol disse...

inquietante o seu Contrário.

e um bálsamo o repouso merecido (do guerreiro)

gostei!

:)