03 março, 2019

Dominical liturgia [citando Sophia] - 8


Hoje estou confuso, não sei que máscara usar nem a máscara que uso...
...como usar a máscara mais adequada ao tempo em que vivemos?
Data

Tempo de solidão e de incerteza
Tempo de medo e tempo de traição
Tempo de injustiça e de vileza
Tempo de negação

Tempo de covardia e tempo de ira
Tempo de mascarada e de mentira
Tempo de escravidão

Tempo dos coniventes sem cadastro
Tempo de silêncio e de mordaça
Tempo onde o sangue não tem rasto
Tempo da ameaça.

Sophia de Mello Breyner Andersen

6 comentários:

ematejoca disse...

Uma poesia em que a Sophia expressa o que lhe vai na alma. Uma vida amargurada, sem dúvida.

Rosa dos Ventos disse...

E só ajeitarmos um pouco a nossa habitual!

Abraço

Rogerio G. V. Pereira disse...

Teresa,
A Sophia era tesa!
Amargura?
Não seria,antes, vida de luta?

Rogerio G. V. Pereira disse...

Rosa dos Ventos
Pois! Ajeitemos!

Janita disse...

Use a máscara que mais lhe aprouver, mas deixe a da menina vietnamita a correr nua, e em pranto! Nem sei porque consta na imagem.
Que não haja mais nada que lembre essa monstruosidade.

Rogerio G. V. Pereira disse...

Janita,tenha calma
Eu sei que é uma boa alma
mas essa é uma máscara real
eu só acrescentei o Pai de Natal

https://sputniknews.com/asia/201901201071641502-banksy-graffiti-tokyo-japan/