03 novembro, 2013

Geração sentada, conversando na esplanada - 38 (Memórias, com bichos)

(ler conversa anterior)
"A menina dos seus olhos era a morgada, a filha, que o acariciava como a uma criança. A velha toda a vida o pusera a distância. Dava-lhe o naco da broa (honra lhe seja), mas borrava a pintura logo a seguir: - Ala! E ele retirava-se cerimoniosamente para o ninho."
Nero, in "Bichos" - Miguel Torga

"Os homens e os cães aprendem imensas coisas uns com os outros"


A Teresa, a Gaby e a Ana, disseram um "olá" em coro à chegada do filho da Zita acompanhado da mãe. Eu acenei e velho engenheiro também. O cão rafeiro levantou-se ligeiro e correu ao encontro do garoto e foi um grande abraço. Grande e prolongado e depois correram e brincaram um com o outro, ali por perto matando saudades de ausências.
- Hoje, se bem reparo, parece-me ter-se zangado com o Gonçalo. 
- Nunca faço rupturas definitivas... apenas não achei oportuno citá-lo nem espaço para metáforas tão cifradas...
- Fala de bichos!, adivinhava este reencontro?, e apontava ao longe a correria.
- Quem tem filhos, tem de ter bichos. E fica a memória de os ter tido. E depois prometi que falaria disso!
- Vai então escrever sobre seus filhos e seus bichos... 
- Filhas!, tenho três filhas eram elas as donas dos bichos, dei-lhes essa responsabilidade...
- Cães, portanto!
- Cães, gatos, pássaros, bichos-da-seda...
- Tudo isso? 
- O conhecimento de nós próprios, na nossa humanidade, passa por entendermos os animais...
Achei o meu tom de voz um pouco sentencioso e moralista. E era. Despedi-me com um aperto de mão e sem interromper as professoras. Ao longe a brincadeira interrompera-se para uma troca de afectos que me obrigou a parar para olhar. Depois fui embora, tratar do almoço (era o meu dia).

12 comentários:

  1. Os animais ensinam-nos muito, nós é que, por vezes, não sabemos aprender...

    ResponderEliminar
  2. Animais e crianças são uma bela junção!

    ResponderEliminar
  3. Os cães sabem guardar os segredos
    das crianças

    ResponderEliminar

  4. Ainda não li a crónica do GMT hoje.

    Li esta: dos filhos e dos bichos.
    É perverso não deixar que convivam. Aproximam-se no que de melhor existe na natureza. Deixam-nos, a nós, adultos, à margem.
    Falta-nos inocência para os podermos compreender.

    Lídia

    ResponderEliminar
  5. 1. Cá em casa nunca é dia do "dono da casa" tratar do almoço...

    2. Cá em casa também sempre houve bichos com as filhas...

    3. "Bichos" do Torga foi dos livros mais crus, senão mesmo violentos, que li nos anos de 70...

    4. Será que a Cristas teve bichos lá em casa quando era pequenina? (Será que ela foi pequenina?!)

    5. Não seria interessante limitar-lhe o nº de filhos a ter?...

    Boa semana...

    ResponderEliminar
  6. A grandeza de uma nação pode ser julgada pelo modo que seus animais são tratados.
    ~Mahatma Gandhi

    Cumprimentos

    ResponderEliminar
  7. Muitas coisas nesse breve relato. Quase uma vida. Cães e gatos, uma hora se entendem.

    ResponderEliminar
  8. Não se estava a referir à luta de cães e gatos no seio do governo, pois não?

    ResponderEliminar
  9. Se os animais fazem as crianças muito felizes, que tal mandarmos os nossos netinhos para a serra guardar ovelhas?

    Pastores em vez de doutores, e talvez não precisassem de emigrar para Luanda.

    ResponderEliminar
  10. Muito legal!!!! Gostei da comparação e da forma!

    []s

    ResponderEliminar
  11. Ah, Rogério! Nem sei o que te diga pois também eu detesto parecer moralista...


    ... mas talvez possa afirmar que crescer ao lado de seres vivos de outras espécies nos enriquece muitíssimo enquanto seres humanos!


    Abraço grande!

    ResponderEliminar
  12. Bichos e livros e nacos de pão fazem parte do meu mundo e, presumo, aprendi muito com eles...

    Já é sabido que gosto muito destas crónicas.

    Bjs

    ResponderEliminar