26 novembro, 2013

"A Terra rebentará, podemos tê-lo por seguro, mas não será para amanhã. Do que estamos a necessitar é de um bom susto. Talvez despertássemos para a acção salvadora."

José Saramago
Dias históricos são todos, uns mais que outros. O de hoje, em que não acabou o mundo, é um dia que deve ser registado como o de um salto, num processo que se supunha lento.
Até hoje, apenas o trabalho resistia, lutava e as formas de luta pareciam esgotadas. As fotos documentam alterações qualitativas: As organizações de empresários aderem ao protesto, à indignação, ao luto. Os sindicatos fazem ocupações simbólicas. As universidades embatucaram Passos.

Amanhã é outro dia, mais próximo do susto de que falava Saramago.

5 comentários:

São disse...

A minha esperança renova-se, ainda que fragilmente...porque enquanto estiver em Belém aquele homúnculo reformado , esta corja tem seguro de vida garantido, faça o que fizer!!

Bons sonhos

Lídia Borges disse...


Uma voz uníssona que atravessa uma sociedade, nas suas múltiplas facetas e qualidades, não é um susto é um "Basta" que se impõe.

Um beijo

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Esperemos que não seja apenas um fogacho. Houve um sinal que me deu a impressão que os tipos estão finalmente a ficar assustados e alguma coisa pode mudar. Não sei se reparou, mas ontem, depois da reunião semanal com Cavaco, o Coelho cancelou a ida à Lituânia.
Como a comunicação social não fez especulações sobre o tema, presumo que haja razões ainda desconhecidas, que a seu tempo serão divulgadas.

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Esperemos que não seja apenas um fogacho. Houve um sinal que me deu a impressão que os tipos estão finalmente a ficar assustados e alguma coisa pode mudar. Não sei se reparou, mas ontem, depois da reunião semanal com Cavaco, o Coelho cancelou a ida à Lituânia.
Como a comunicação social não fez especulações sobre o tema, presumo que haja razões ainda desconhecidas, que a seu tempo serão divulgadas.

jrd disse...

O coelho assustado nem sai da lura.