18 novembro, 2013

Irlanda 30 - Portugal 0

Título e imagem roubados ao "puma"
Passos Coelho defendeu no sábado que o sucesso irlandês no regresso ao financiamento dos mercados se deve à aplicação de medidas mais duras no que diz respeito aos salários e às pensões. É uma afirmação que traz escondida a intenção de espalhar a confusão e fazer sustentar um orçamento violento e pesar "sobre os mesmos de sempre" a violência que comporta. É um gato escondido com o rabo de fora, que pouca imprensa denuncia. Mas alguma coisa se vai dizendo (fora da esfera dos sempre silenciados):

"O facto de as exportações na Irlanda, durante o período de 2009 a 2013, representarem 108% do PIB do país – contra 39% de Portugal – mostra a capacidade do país em competir nos mercados internacionais, que não se perdeu com a actual crise." 
Público, hoje
"...a crise portuguesa, por exemplo, advém da falta de crescimento económico ao longo da última década. Já a crise irlandesa foi despoletada pelos problemas no sector financeiro do País...
Jean-Claude Juncker, hoje no Económico
;As medidas "...duríssimas" que a Irlanda tomou foram três medidonas, na verdade -- a) impor à troika uma solução para as promissórias que salvaram o sector bancário falido, transformadas em dívida de longuíssimo prazo; b) impor à UE e à troika a manutenção do seu código de IRC que lhe permite exportar e reexportar mais de 100% do PIB; c) impor à troika uma saída do resgate sem programa cautelar." 
 J. Nascimento Rodrigues, ontem no facebook
 Quem souber ler, que o faça