30 novembro, 2013

Poesia (uma por dia) - 55

"30 de Novembro de 1935, morre em Lisboa o grande poeta, filósofo e escritor português, Fernando Pessoa. No corrente ano de 2013, creio que em Maio, foram descobertos manuscritos do poeta até agora inéditos. O soneto «Alma de Côrno», que hoje se publica na efeméride, encontrava-se entre esses escritos desconhecidos. Ainda bem que lá estava, é de facto inédito o soneto métrico. Fernando Pessoa, um poeta genial!"
Escreveu o "Poeta anarquista"
ALMA DE CÔRNO

Alma de côrno – isto é, dura como isso;
Cara que nem servia para rabo;
Idéas e intenções taes que o diabo
As recusou a ter a seu serviço –

Ó lama feita vida! ó trampa em viço!
Se é p’ra ti todo o insulto cheira a gabo
– Ó do Hindustão da sordidez nababo!
Universal e essencial enguiço!

De ti se suja a imaginação
Ao querer descrever-te em verso. Tu
Fazes dôr de barriga á inspiração.

Quér faças bem ou mal, hyper-sabujo,
Tu fazes sempre mal. És como um cú,
Que ainda que esteja limpo é sempre sujo.

Fernando Pessoa

Nota: reprodução do poema respeitando a grafia original do fac-símile.

8 comentários:

Rosa dos Ventos disse...

79 anos depois da sua morte continua a surpreender-nos!
Hoje visitei a Casa onde viveu os seus últimos 15 anos...já conhecia mas há sempre novidades!
Está uma exposição de retratos do poeta, na sala de entrada, de Aldous Eveleigh que o apresentou como se fossem da autoria de vários pintores , uma espécie de "heteronímia" pictórica! :)

Mar Arável disse...

Sempre Pessoas

jrd disse...

Pessoa referindo-se (por antecipação) ao governo da nação.

Fê blue bird disse...

Há Homens que mesmo depois de mortos, estão mais vivos que muitos vivos.
Genial e perturbador, como só Pessoa pode ser.

beijinho e bom domingo

. intemporal . disse...

.

.

. ouço Passos ... . :) .

.

.

Joaninha Musical disse...

Adorei ler essa poesia,é super lindo esse poema!! Excelente domingo para ti!! Beijinhos e fica com deus!!

Lídia Borges disse...


Aqui está uma prova de que a poesia
pode ser "dura".

Porém, em Pessoa, não gosto da ironia...

Um beijo

Janita disse...

Pessoa que me perdoe, mas este soneto tem cornos a mais para o meu gosto. Se calhar é por não concordar que os cus limpos sejam sempre sujos, só se forem os dos sabujos!

Beijinhos!:)