17 fevereiro, 2010

O Destak não é distribuido a bordo dos 747

Um jornal que não é de referência, não têm o PiG à perna. Não merece sua atenção, é lido por gente que anda em transportes públicos… Qual o administrador, sócio gerente, gestor, economista ou fantasista que tem a lata de o ler?

Assim, este gratuito, consegue aquilo que a outra imprensa não consegue: trazer para a primeira página um título:

O artigo inicia-se com o seguinte parágrafo:” A crise económica e a consequente quebra na riqueza gerada (PIB) catapultaram o défice público português em 2009 para o valor recorde de 9,3%. Mas o economista Eugénio Rosa aponta outra razão para o descalabro das contas públicas no ano passado: a evasão e a fraude fiscal”. Diga-se que dos 747 economistas que colaboram com os semanários, nenhum tal houvera dito(*).

Interessado, fui procurar ao site daquele economista o artigo original. Encontrei:
OE2010 – A EVASÃO E A FRAUDE FISCAL EM PORTUGAL EXPLICAM MAIS DE 3.000 MILHÕES DE EUROS DO DÉFICE DE 2009, E NÃO VAI DIMINUIR EM 2010
Ver este estudo de Eugénio Rosa - 15/Fevereiro/2010
Procurei outros artigos relacionados com o orçamento. Encontrei:
ENTRE 2005-2009, A BANCA ARRECADOU 2.470 MILHÕES € DE LUCROS APENAS PORQUE PAGOU UMA TAXA EFECTIVA DE IMPOSTO INFERIOR À LEGAL E REDUZIU AS REMUNERAÇÕES DOS TRABALHADORES EM % DO PRODUTO BANCÁRIO
Ver este estudo de Eugénio Rosa - 09/Janeiro/2010
Estou à espera que o Eugénio Rosa dê uma ideia, se possível, de quanto cobraria o Estado se o Governo taxasse as mais valias das transacções bolsistas e quanto arrecadaria pelos milhares de milhões que "residem" nos paraísoa fiscais...

(*) Não são tantos os economistas que colaboram com os semanários. A lotação do 747 são 400, mas apenas são 23 os que viajam em 1ª classe e, assim, em condições de prestar a citada colaboração. Não consta que leiam o Destak.