02 fevereiro, 2010

A verdade sobre Mário Crespo - Um caso que nada tem a ver com publicidade ao seu livro...


Mário Crespo está enganado!

Tenho provas de que o Mário Crespo está enganado sobre aquele almoço. Tem pois parcialmente razão uma das minhas testemunhas arroladas para provar a existência do Partido da Informação Golpista, o jornalista Ferreira Fernandes. Ele afirma que o Crespo está enganado. Escreve hoje no DN. Eu, por razões diferentes, também acho. É que o almoço foi nas Galerias do Alto da Barra, num pequeno restaurante com explanada interior. Uma das minhas provas é a foto do Sócrates e da sua comitiva a descer as escadas, quando se encaminhava para o segundo piso em direcção à explanada exterior, onde eu escrevo parte dos meus posts. Foi-me lá pressionar para eu não colocar no meu blog aquilo que eu teria escutado. É que de facto, no piso interior e de dentro (onde estava Sócrates) para fora (onde estava eu) eram audíveis os berros, autentica gritaria, vociferando o que depois todos os média viriam a publicar.
Escreve Ferreira Fernandes que falou com cinco pessoas da sua inteira confiança e todos negam ter estado no Hotel Tivoli. Tivesse ele falado com a senhora da padaria, ou a da loja dos cristais, ou com o brasileiro que assa os frangos e mais com quem ia por ali a passar e eles, não só confirmariam a presença de toda aquela ilustre gente, como aquilo que eles disseram e até mesmo o que eles comeram.

Se não acreditam nisto, então...

Então, foi tudo inventado? Tratar-se-ia de um pseudo-acontecimento? Fui ler o que uma minha outra testemunha escreveu no seu livro “Fontes Sofisticadas de Informação”. Mas tudo o que li na página 47 aponta para que o Crespo não tenha provocado estes acontecimentos. Claro que qualquer relação entre eles, os actos sensórios do JN e mais não sei o quê com a SIC e a publicidade ao livro de Mário Crespo, que vai para as livrarias no próximo dia 11, são mera coincidência!

Se não foi invenção, foi verdade! Verdade ou fogo-fátuo?

Para tirar a limpo, liguei ao Belmiro de Azevedo (via scype, para correr menos riscos de ser escutado):
Eu – Tá lá? Tá bom engenheiro? Desculpe incomodar… mas o que pensa sobre todo este alarido em torno do Mário Crespo?
Belmiro – É mais um fogo-fátuo…
Eu - Fogo-fátuo? Mas isto não é importante para as nossas vidas?


Nota 1: Para entender esta conversa, leia o meu post Belmiro e o serviço cívico
Nota 2: Este post está em conformidade com o §4 da minha declaração de principios:"Denunciarei todas as notícias ou opiniões que, em meu juízo, colocam em causa a reputação e o bom nome das pessoas sem a devida prova e fundamentação do interesse público."