29 maio, 2010

Helena André, uma complexa contradição ou a dialéctica da (sua) natureza

A imagem abaixo representa a ameba, com duas almas: uma boa e outra má. Cada ser é, assim, ele próprio e o seu contrário, numa complexa síntese. Ah, pois é!

Os marxistas, que fundamentam as suas bases no materialismo dialéctico, com a "Dialéctica da Natureza" afirmam que "tudo" resulta de um processo em que uma dada tese é confrontada com a antítese, resultando numa síntese. Segundo esta ortodoxa visão do universo, a Ministra Helena André seria o resultado (síntese) de uma alma feminina intrinsecamente generosa, solidária e justa (a tese) que em meio adequado (UGT e 18 anos de Bruxelas) teria assimilado um André (a antítese) frio, calculista, amigo do sistemas injustos liderados pelos poderosos e ricos. Estaríamos, assim, perante um exemplo próximo da ameba, tal como consta dos manuais dos filósofos marxistas. Estaríamos e estamos. Fui ver e confirmei. A prova está na imagem da ameba, onde é possível ver dois rostos pertencentes a essa duas almas que habitam o corpo da ministra...
-
A grande maioria não aceita as teses materialistas, mas elas explicam muita coisa, por exemplo:

Mourinho quando me acordou, na madrugada de terça feira passada depois de ver o Prós e Contras, dizia-me entusiasmado - A Ministra Helena André, também parece disposta a fazer qualquer coisa, pelo menos a ter uma atitude séria. Afirmou publicamente que próxima reunião da Concertação Social irá iniciar a reunião com os parceiros discutindo o diagnóstico da situação e só depois discutir o pacto para o emprego, na procura de compromissos…. Hoje, qual não é o meu espanto, vejo-a a almoçar no Pabe, com o Expresso a entrevista-la e a pagar-lhe a conta. Pasmo, pelo que diz: “Temos que reduzir custos directos e indirectos do trabalho”. Nem uma palavra sobre o "Pacto para o Desemprego". Ma qué isto? Minha nossa… Reflecti uns segundos (sou de raciocínio lento) e concluí: Quem esteve no Prós e Contras foi a Helena, ex-sindicalista, quem veio ao Pabe foi o André. Ai ameba, ameba, estás lixada comigo. Para começar, salto daqui e vou à manifestação…

E fui...

Este post está efectivamente associado à entrevista efectivamente dada por Helena André ao Expresso que efectivamente omite na versão on-line

14 comentários:

Anónimo disse...

Rogério,

Hoje aprendi o que é a dialética (escreve-se assim, segundo o novo acordo ortográfico). Veja se está bem: Temos o cravo e a ferradura. Helena bate num e bate no outro, a síntese é um par de coices que essa besta nos prega. É assim?

Isa GT disse...

A minha sorte, de viver a 5 minutos do Marquês de Pombal ;)

folha seca disse...

Caro Rogério

Não fui a essa, mas à outra...

Sabe, acho que lhe perdi o jeito, mas pelos vistos vou ter que o ganhar. Eu até penso que deve ser como andar de biciclete, quaando se aprende, nunca mais se esquece.
Sobre a outra escrevi qualquer coisa lá no Largo.
Abraço

mdsol disse...

:))

]Já está bem de saúde?]

Rogério Pereira disse...

Caro Anónimo
Nunca tive um tão bem humorado.

Contudo, não abraço sombras.
Não é por nada...
Manias...

Rogério Pereira disse...

Isa,
Com que então aplica a "Lei do Menor Esforço"...

Abracinho

Rogério Pereira disse...

MdSol,

Para lhe provar que estou a 100% vou mostrar o meu bom aspecto...

É que é já a seguir!

Abracinho

Rogério Pereira disse...

Folha Seca,

Diz-se que eram 300 000. Consigo seriam 300 001. Fez lá falta, pá!

(Não gosto de números redondos...)

Abração

Anónimo disse...

Rogério,

O Anónimo que deixou o primeiro comentário era eu. Esqueci a assinatura.

Esqueci também de agradecer ter colocado o lado bom da Ministra do lado da Mulher. Tem razão nós somos mais sensiveis a causas.

Sempre me quer dar um abraço?

Eu dou beijo

Maiúka

Ana Paula Fitas disse...

De facto, só a "desmistificação dialéctica" pode permitir-nos compreender o que insistem em parecer não compreender apesar da evidência inquestionável com que a realidade se nos impõe :)
OBrigado!

folha seca disse...

Caro Rogério

Admito que mais 1 era sempre mais 1
Mas não pense que apesar dos 300 e picos kms de distância a manif de Lisboa passou ao lado. Sim ela esteve presente e até mais de 90% dos presentes ostentavam o mesmo autocolante que provavelmente o meu caro usou. De facto exitei entre estar num lado ou noutro e até optei por ir ao que estava mais longe. Mas eu sou daqueles que faço poucas promessas, mas quando faço, faço e tinha prometido aos amigos da AJA estar lá. promessa cumprida e olhe que não estou nada arrependido. Foi um momento unico. Estar com o Alipio de Freitas e ver aquelas crianças a cantar os "vampiros".
Abraço e bom Domingo

Rogério Pereira disse...

Maiúka,
Não. Hoje merece um beijo

Cá vai beijinho

Rogério Pereira disse...

Cara Ana Paula

Maldita realidade que se nos impõe. Resta-nos impormo-nos a ela, né?

Abraço amigo

Rogério Pereira disse...

Folha Seca,

Triste destino este o de ver as nossas crianças, como nós, a cantar "que eles comem tudo, e não deixam nada..."

P´rá próxima não falte

Abraço