01 maio, 2010

1º de Maio








Carvalho da Silva:”o velho argumento de que são os baixos salários, a flexibilidade e a desregulação que aumentam a competitividade não pega, pois temos dos mais baixos salários, maior carga horária, o trabalho está desregulamentado e estamos a perder competitividade "a luta vai intensificar-se para além do 1.º de Maio".
João Proença: nega que tenha existido um "desmantelamento" dos direitos dos trabalhadores nos últimos anos. "Não concordo com esse discurso miserabilista do desmantelamento dos direitos", afirmou. Proença disse que "houve, sim, uma evolução da legislação", destacando até benefícios ao nível da protecção social. "Em Portugal não se liberalizaram os despedimentos nem se cortou a fundo no subsídio de desemprego, como se fez noutros países".

Utilização libertina de cartoons de Abel Manta, incrivelmente actuais. Textos extraídos do DN de hoje

3 comentários:

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Lendo as declarações de um e outro,confirmo que decidi bem em optar por subir a Almirante Reis em vez de descer a Av. Liberdade. Os direitos conquistam-se a subir e não a descer.
Não nos encontrámos, mas estivemos lá e isso é que foi importante.

Anónimo disse...

Rogério, eu não fui a nenhuma das manifestações, mas estou atenta ao que se vai passando, Entendo que o principal problema é a dívisão das pessoas, cada um a puxar para seu lado. Aquela plateia a olhar Portugal não deveria estar a rir-se?

Beijos,

Maiúka

Rogério Pereira disse...

Maiúka, leia o que o Carlos escreveu...
Agora diga lá se o principal problema não é a falta de descernimento sobre o lado onde se deve estar?
Quanto à plateia, eles começam a ficar preocupados... mas continuam a gozar com o país!

Beijos