18 agosto, 2011

Quem me lê gosta de poemas fortes - (2)



Um rio...
Um rio é um rio, e parece estar tudo dito
Acrescentar que tem de ter
uma nascente e margens, para entre elas correr ,
parece pura perda de tempo,
coisa de quem não tem onde ocupar o pensamento
Não é verdade
Falava um poeta sobre o comportamento das águas
quando esmagadas pela pressão violenta das margens
Então falemos nós dos diques de palavras ponteagudas
escolhidas a dedo de entre as que metem medo
para suster o livre curso das águas
nada mais fazendo que retardar o destino
do rio, ainda fraco, ainda menino
Venham as primeiras chuvas que o façam crescer
e o poema, sabemo-lo todos nós,
percorrerá o sentido inevitável da foz
------------------------------------------------------------------Rogério Pereira

Do rio que tudo arrasta, diz-se que é violento.
Mas ninguém chama violentas às margens que o comprimem.
------------------------------------------------------------------Bertold Brecht
Imagem retirada daqui

17 comentários:

  1. Perfeito querido.

    Beijos no seu coração.

    ResponderEliminar
  2. Olá Rogério!
    Eu só me refiro aqueles que têm governado.
    As margens oprimem os rios, mas às vezes eles crescem e saem das margens, e chegam a fazer grandes estragos por onde passam.

    José

    ResponderEliminar
  3. De pé, o meu aplauso.

    Um abraço também.

    ResponderEliminar
  4. Rogério

    Concordo com o que o José disse.

    Quando o rio enche e percebe que comprimido pela violência das margens, amordaçado pelas palavras que parecem não fazer sentido, só lhe resta transbordar e estragar, então que venha a cheia...

    Beijo

    ResponderEliminar
  5. A poesia é como o transbordar das águas... depois de ditas, os sentimentos voltam a caber no coração como as águas mansas em seu leito.
    Lindo poema, caro poeta Rogério.
    Beijokas

    ResponderEliminar
  6. lindissimo.

    e a frase de bertold magnifica

    Ja tentei nadar num rio, foi uma experiencia assutadora hehehe

    Bjinhos
    paula

    ResponderEliminar
  7. Sim, "sabemo-lo todos nós".
    As primeiras chuvas podem não aumentar o caudal, mas vão comprimir as margens, inevitavelmente.
    Bertold Brecht sabia do que falava ... O Rogério também sabe.

    Bonito este "rio menino" que cumprirá o seu destino, "sabemo-lo todos nós".


    L.B.

    ResponderEliminar
  8. Vida, curso e morte com todas as suas delimitações e imperativos. Por que esperar a foz certa se podemos cantar o caminho sinuoso?
    Um grande bj querido amigo

    ResponderEliminar
  9. Rogério, depois de falar em rios e margens, num poema lindíssimo!... deixo aqui este post para que possa ler o 1º comentário... :(

    ResponderEliminar
  10. Isto, enquanto os portugueses querem ver o lado bom do mundo...

    ResponderEliminar
  11. gostei muito do poema.
    poema-combate. vibrante. como punhos erguidos

    abraços

    ResponderEliminar
  12. Bela reflexão. Bela metáfora!

    Parabéns, Rogério.

    ResponderEliminar
  13. Obrigado
    Eu próprio gostei do que escrevi
    (e nem sempre é assim...)
    Dei contudo com um erro meu.
    Aconteceu...erro crasso...e já está emendado
    Onde se lia "para sustentar o livre curso das águas" passou a dever ler-se o que lá está (e é o que faz sentido...)

    ResponderEliminar
  14. Excelente!
    Quando o poema é um rio...
    Abraço

    ResponderEliminar
  15. Por alguma razão os rios à vezes se revoltam e galgam as margens...
    Quanto ao poema, excelente!

    ResponderEliminar
  16. Quando as margens do rio se tocam, ele corre na mesma, por baixo delas, não se vê por ser subterrâneo, mas vai ganhando força para voltar ao leito normal onde pode sentir o sol... mas isso é o rio... quem me dera ser um rio ;)

    Bjos

    ResponderEliminar
  17. Já tinha pensado nisso, sobretudo quando ele transborda as margens e tudo invade,sem piedade... como que a pedir espaço, liberdade!

    Beijinho ao poeta que ás vezes emerge, galga as margens e chega ao mar.

    ResponderEliminar