06 julho, 2014

Geração sentada, conversando na esplanada - 67 (sobre o susto, os chimpanzés e os homens)

(ler conversa anterior)
"A Terra rebentará, podemos tê-lo por seguro, mas não será para amanhã. Do que estamos a necessitar é de um bom susto. Talvez despertássemos para a acção salvadora." - José Saramago, aqui

"Na cidade, agora, todas as pessoas esperam por um outro terra­moto, semelhante ao anterior, mas de sentido inverso – que recolo­que o cérebro dos chimpanzés no sítio certo e antigo. E com isso a ci­dade recupere a normalidade." - Gonçalo M. Tavares, aqui

Em menos tempo do que aquele que se leva a contar, foi um debandar. A chuva persistente afastou toda a gente. De todos, ficámos só nós os três abrigados pelo estreito telheiro: eu, o velho e o rafeiro. Mesmo com os pés molhados compensámos tal desconforto com o gosto das palavras trocadas...
- "Voltou a citar o Gonçalo! Mudou de opinião?"
- "Não, apenas lhe estou a voltar a dar uma oportunidade!"
- "Aproveita ter o Gonçalo falado dos efeitos do terramoto... mas não era esse o susto de que falava Saramago!"
- "Não, porventura, não seria!"
- "... e macacos não são homens!"
- "São quase!"
- "Então a cidade é um grande zoo?"
- "É verdade!"
E continuamos a conversar muito para além da chuva parar, deambulando sobre mil assuntos até comentar o que dissera o Carlos: