21 fevereiro, 2016

Germanização? Sim? Não?


O virtuosismo do ridículo passa a ser um caso sério...