08 fevereiro, 2016

Mascarei-me de tédio mas, para desalento meu, toda a gente me reconheceu...


Inspirado naquelas páginas centrais, fui-me à mascara, para me mascarar. Passei o dia a olhar para o ar, a bocejar, a beber alarvemente, a fumar e com conversas vazias. Não me esqueci das asas... mas...  por onde passava todos me cumprimentavam e se me dirigiam pelo nome. Até os meus netos, mascarados de miúdos, me descobriram a careca: "Ó vô, deixa-te disso!"
Eu acho que só se deixa entediar quem não tem nada que fazer, quem não tem nada em que pensar...
(e hoje foi um dia em cheio!)