30 novembro, 2016

Filipe VI perdeu a oportunidade de referir a "Jangada de Pedra" e eu ia aplaudir?

 Resultado de imagem para rei de espanha aplaudido parlamento
«Quanto melhor vá a Europa melhor irão Portugal e Espanha ... quanto melhor sigam Espanha e Portugal, melhor caminhará a Europa»
Filipe VI, hoje em São Bento
«...tentei demonstrar duas coisas; primeiro: a Península Ibérica tem pouco a ver com a Europa no plano cultural. Dir-me-ão que a língua vem do latim, que o Direito vem do Direito Romano, que as instituições são europeias. Mas o certo é que, com este material comum, fez-se nesta península uma cultura fortemente caracterizada e distinta. Segundo: há na América um número muito grande de povos cujas línguas são a espanhola e a portuguesa. Por outro lado, nascem em África novos países que são as nossas antigas colónias. Então imagino, ou antes, vejo, uma enorme área ibero-americana e ibero-africana, que terá certamente um papel a desempenhar no futuro. Esta não é uma afirmação rácica, que a própria diversidade das raças desmente. Não se trata de nenhum quinto nem sexto nem sétimo império. Trata-se apenas de sonhar – acho que esta palavra serve muito bem – com uma aproximação entre estes dois blocos, e com o modo de o demonstrar. Ponho a Península Ibérica a vogar para o seu lugar próprio, que seria no Atlântico, entre a América do Sul e a África Central. Imagine, portanto que eu sonharia com uma bacia cultural atlântica."

Entrevista concedida por Saramago a Inês Pedrosa, in Jornal de Letras 10-16/11/1986

2 comentários:

Janita disse...

Saramago entendia de cultura, de literatura, de poesia, fez parte dos poetas ibéricos, mas não foi político nem nunca foi embaixador. Não foi Nobel por ser português e sim pelo que escreveu.
Concordo com a primeira frase de Filipe de Espanha, já não concordo com o que disse a seguir. Mas é lá a ideia dele e há que ser respeitada. Assim, como o seu chefe teve o direito de se manter hirto e imperturbável.
Já Saramago se estivesse presente seria menos exigente. Pensaria simplesmente:
"É bem certo que as palavras nunca estão à altura da grandeza dos momentos.”

E, com isto, já ficaria contente!
Não seja, agora, o Rogério, tão exigente.

:)

Olívia disse...

Pelo binóculo do rei, não se vislumbra nenhuma jangada no Atlântico.

Mas concordo com Saramago quanto à palavra que falta - "sonhar".

Bj.