05 novembro, 2016

O orçamento, a mudança e os meus diálogos com Einstein - 2

 

Depois do orçamento aprovado, Einstein voltou a dizer-me o que me tinha em tempos segredado quando se colocou do meu lado, que era ainda "reduzido o número daqueles que vêem com os seus próprios olhos e sentem com o próprio coração. Mas da sua força dependerá que os homens tendam ou não a cair no estado amorfo para onde parece caminhar hoje uma multidão cega."

Respondi-lhe com aquela convicção de eterno esperançado: "Hoje alguns cegos já vão vendo... e quando ao coração, esse, manda a anatomia da vida, que bata sempre do lado esquerdo"