21 maio, 2018

In memoriam: António Arnaut (1936-2018)

(...) Eu sou o autor da lei que criou o Serviço Nacional de Saúde, mas se a lei tem progenitor, tem sobretudo a mãe. A mãe é que conta e a mãe é a Constituição. Se ela só tivesse o pai há muito tempo que tinha sido revogada e o Serviço Nacional de Saúde destruído. O que lhe tem valido, o que a tem amparado neste percurso acidentado de quase 40 anos é a Constituição da República.(...)
António Arnaut
Não é só a humildade do reconhecimento, saliento a importância dos claros avisos que nos foi deixando. Inclino-me em sua memória, no respeito pelo seu pensamento.

16 comentários:

Francisco Manuel Gentil Apolónio disse...

Sem dúvida!

Maria João Brito de Sousa disse...

Também eu me inclino respeitosamente.

Elvira Carvalho disse...

A necessidade de sobrevivência é o pão da fraternidade.

O futuro é uma construção colectiva.

António Arnaut, in 'As Noites Afluentes'

Um grande Homem.
Abraço

ematejoca disse...

Sigo os teus passos, camarada Rogério, e inclino-me em sua memória, no respeito pelo seu pensamento.

São disse...

Que seja sempre recordado com todo respeito que merece !

Lídia Borges disse...

..."dos claros avisos", retenho o perigo da privatização do setor da Saúde que cresce muito à custa do empobrecimento do Serviço Público.


Lídia


Janita disse...

Breve é a Vida e o seu rasto

Porém, o rasto deixado por António Arnaud, ainda que breve, como ele disse, fala alto e ficará por muito tempo a ecoar na memória de quem a tiver.

Que descanse em Paz.

Rogerio G. V. Pereira disse...

Honrar a sua memória
é prolongar a sua luta
com a mesma verticalidade

Rogerio G. V. Pereira disse...

Tantas vezes
defendendo ideias diferentes
foi mais o que nos ligou
do que aquilo (que ainda) nos separa

Rogerio G. V. Pereira disse...

"O futuro é uma construção colectiva."

Podia ser eu a dizer isto!...

Rogerio G. V. Pereira disse...

...se seguires sempre os meus passos
nunca andarás por caminhos errados

Rogerio G. V. Pereira disse...

Sei quem o recordará
por coisas que ele, com humildade
sempre se distanciou
(isto vem a propósito do comentário da Elvira e da frase citada...)

Rogerio G. V. Pereira disse...

«Somos a memória que temos»...

Rogerio G. V. Pereira disse...

Retém toda a entrevista
Lídia
tudo, tudinho
...a oferta de Mário Soares, que ele recusou
... o episódio do romance “Rio das Sombras”,
entre outras coisas

Mar Arável disse...

um Homem de convicções democráticas

Larissa Santos disse...

Que descanse em PAZ


Hoje:- Amor eterno: O meu alimento.

Bjos
Votos de uma óptima Quarta-Feira